Publicidade

Estado de Minas OLIMPíADA

Denúncia de suposta célula terrorista em BH gera megaoperação policial

Policiais civis e militares foram acionados até o bairro Castelo, região norte da capital, para averiguar a denúncia feita na última terça


postado em 03/08/2016 15:19

O bairro Castelo, localizado na região norte de Belo Horizonte, teve um início de noite agitado na última terça, dia 2 de agosto. Os moradores do entorno da rua Castelo de Guimarães ficaram assustados com a grande movimentação de policiais civis e militares, que começou às 18h e terminou apenas às 4h da manhã. Segundo informação da assessoria de imprensa da Polícia Militar de Minas Gerais (PMMG), houve uma denúncia de que uma casa localizada nesta rua estaria abrigando uma célula terrorista.

Informações de moradores, que não quiseram ser identificados, dão conta de que os policiais pediram para que não deixassem as casas, enquanto fosse realizada a investigação no imóvel suspeito. Como não havia um esclarecimento por parte dos oficiais, muitas pessoas acharam que se tratava de uma operação de combate ao tráfico de drogas ou de investigação de uma quadrilha de roubo de carga.

A assessoria de imprensa da PMMG informou à Encontro que a denúncia recebida pelas autoridades dava conta de que extremistas religiosos, supostamente localizados na residência da rua Castelo de Guimarães, estariam pensando em cometer atentados terroristas em BH, durante a realização das partidas de futebol relativas à Olimpíada do Rio. Ao todo, a capital mineira recebe 10 jogos no estádio Mineirão, sendo quatro da categoria masculina e seis da feminina.

Procurada pela reportagem, a Agência Brasileira de Informação não quis comentar a megaoperação policial de combate ao terrorismo realizada na cidade.

Apesar do susto provocado no bairro Castelo, a PMMG disse que a denúncia sobre a suposta célula terrorista não era verídica, mas que, ao final da averiguação, os policiais encontraram apenas um veículo com registro de furto – que também era improcedente, já que o proprietário havia esquecido de passar a informação da ecuperação do carro aos militares.

Os comentários não representam a opinião da revista e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade