Descoberta arqueológica sugere que os gregos faziam sacrifícios para Zeus

Esqueleto humano encontrado num antigo altar de sacrifícios pode mudar a história antiga

por Encontro Digital 12/08/2016 10:12

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Hellenic Ministry of Culture, Education and Religious Affairs/Divulgação
No altar que fica no topo do monte Lykaion, na Grécia, foi descoberta a ossada de um jovem que pode ter sido sacrificado em homenagem aos deuses do Olimpo, há milhares de anos (foto: Hellenic Ministry of Culture, Education and Religious Affairs/Divulgação)
Durante uma escavação no monte Lykaion, que fica na região da Arcádia, na Grécia, um arqueólogo grego fez uma descoberta surpreendente. Ele encontrou o esqueleto de um adolescente, que teria vivido há 3 mil anos, no local onde, segundo a mitologia grega, teria nascido e vivido Zeus, o mais importante deus do Olimpo. As informações foram divulgadas pelo Ministério da Cultura da Grécia na revista Greek Reporter no dia 10 de agosto.

Acredita-se que na parte de cima do monte Lykaion, que tem de 1.400 m, havia um antigo altar. Nele, cabras e ovelhas costumavam ser sacrificadas em homenagem aos deuses do Olimpo. Essas cerimônias eram realziadas entre o século XVI a.C. e o período helenístico (até 146 a.C.). Porém, até a descoberta recente, não existia indícios de sacrifícios humanos.

Segundo os arqueólogos, é muito cedo para especular sobre a causa da morte do adolescente. No entanto, é uma descoberta notável que poderá dar credibilidade a uma das lendas mais trágicas da Grécia: uma criança foi sacrificada junto com animais e suas carnes foram servidas para convidados. Diz a lenda que quem comesse a "parte humana" do banquete, poderia virar um lobo – este "efeito" duraria nove anos.

"Várias fontes literárias da antiguidade grega mencionam rumores sobre a realização de sacrifícios humanos no altar. Mas, até algumas semanas atrás, não havia quaisquer vestígios de ossos humanos no local", diz David Gilman Romano, professor de arqueologia grega na Universidade do Arizona, no Texas, Estados Unidos. "Sendo sacrifício ou não, este é um altar sacrificial. Por isso, não é um lugar para enterrar uma pessoa. Não é um cemitério", acrescenta o especialista.

As escavações no monte Lykaion devem continuar até 2020. O trabalhos estão sendo feitos numa cooperação internacional entre o Ministério da Cultura da Grécia e a Escola Americana de Estudos Clássicos.

(com Agência Sputnik)

Últimas notícias

Comentários