No dia 8 de agosto a humanidade terá sobrecarregado a Terra

A cada ano, os homens consomem o equivalente a 1,6 'Terras' em recursos naturais, sabia?

por Encontro Digital 04/08/2016 16:19

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Pixabay
De acordo com a organização Global Footprint Network, em 2030 a humanidade gastará o dobro de recursos naturais do que a Terra consegue fornecer (foto: Pixabay)
Dentro de pouco tempo será "celebrado" o Dia do Excesso da Terra, ou Dia da Sobrecarga da Terra (Earth Overshoot Day, em inglês). A data foi criada para mostrar em que momento a humanidade excede o "orçamento" anual de recursos naturais que poderia usar sem desgastar o planeta.

Em 2015, a "celebração" da data aconteceu no dia 13 de agosto, mas, neste ano, com o crescimento da demanda mundial por recursos, o grupo de cientistas da Global Footprint Network (GFN), organização internacional que criou o dia da conscientização, resolveu antecipá-la em cinco dias, ou seja, será lembrada em 8 de agosto.

Segundo a Global Footprint Network, a humanidade costuma gastar anualmente um volume de recursos naturais que corresponde a 1,6 "Terras". Se a tendência continuar, até 2030 os seres humanos consumirão duas vezes mais do que a natureza consegue oferecer – o planeta não conseguirá mais repor os recursos em velocidade compatível com o gasto da humanidade.

A GFN aponta que o ser humano emite um volume maior de dióxido de carbono que os oceanos e florestas podem absorver. O mesmo ocorre em relação ao desmatamento, seca, erosão do solo, entre outros fatores. Para resolver esse problema, "é necessário adotar um novo estilo de vida". "Um novo estilo de vida trará muitas vantagens, mas isso requer muito esforço", explica Mathis Wackernagel, diretor executivo da GFN em nota à imprensa.

Segundo Wackernagel, a boa notícia é que isso é possível graças à tecnologia atual. Além disso, economicamente falando, també,m seria possível conciliar a produção industrial e o conservacionismo. "Isso estimula os setores emergentes, como o de energia renovável, e, ao mesmo tempo, reduz os riscos e custos relacionados ao impacto da mudança do clima sobre a infraestrutura deficiente. O único recurso que precisamos é mais vontade política", comenta o ativista.

(com Agência Sputnik)

Últimas notícias

Comentários