Publicidade

Estado de Minas POLêMICA

Polícia indicia Patrícia Lelis por falsa acusação contra Marco Feliciano

A estudante seria portadora de mitomania, doença que faz a pessoa mentir compulsivamente


postado em 19/08/2016 09:38 / atualizado em 19/08/2016 10:44

A polêmica envolvendo o deputado federal Marco Feliciano e a estudante de jornalismo Patrícia Lelis, de 22 anos, moradora de Brasília (DF), ganha mais um "capítulo". Segundo matéria divulgada no jornal SBT Brasil na quinta, dia 18 de agosto, a Polícia Civil de São Paulo estaria seguindo uma nova linha de investigação sobre a acusação de que o parlamentar teria cometido assédio sexual e tentativa de estupro contra a jovem. Segundo o delegado responsável pelo caso em SP, Luiz Roberto Hellmeister, em entrevista ao telejornal, Patrícia Lelis sofre de mitomania, uma condição mental que faz a pessoa mentir compulsivamente.

A polícia paulista está usando imagens de câmeras de vigilância e novos depoimentos para contrapor a acusação da estudante de que teria sido vítima de cárcere privado em São Paulo, sob os cuidados do assessor de Marco Feliciano, Talma Bauer, entre os dias 30 de julho e 5 de agosto. Um dos vídeos obtidos pelos investigadores mostra Patrícia conversando com o assessor de forma descontraída no lobby do mesmo hotel.

Quem também ajudou a contrapor a versão da jovem foi o ex-namorado dela, Rodrigo Simonsen. Ele prestou depoimento ao delegado Luiz Hellmeister e contou que no período citado pela ex-namorada, eles ficaram juntos por quatro noites na capital paulista e não teriam encontrado com Talma Bauer em momento algum.

O responsável pela investigação revela ainda ao SBT Brasil que a estudante de jornalismo teria sido diagnosticada com mitomania em 2015, após ter feito outra denúncia de estupro à polícia em Brasília. Ainda segundo o delegado, Patrícia Lelis está sendo indiciada por falsas acusações e tentativa de extorsão.

A reportagem revela que as autoridades paulistas poderão pedir a prisão preventiva da jovem, que é considerada por eles como um "risco para a sociedade".

Em nota enviada à imprensa, o pastor Marco Feliciano comenta a mudança na investigação do caso: "O indiciamento da estudante reafirma a nossa plena confiança na lisura das instituições públicas e da justiça de nosso país. Boatos são boatos e nunca serão verdades. É o que temos para o momento, e seguimos confiante de até o término das investigações", afirma o parlamentar.

Confira, abaixo, um vídeo com a reportagem do SBT:

Os comentários não representam a opinião da revista e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade