Primeira mulher a comandar a Polícia Civil é destituída do cargo

Delegada Andrea Vacchiano não é mais diretora do órgão vinculado à secretaria de estado de Defesa Social

por João Paulo Martins 03/08/2016 13:33

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Marco Evangelista/Imprensa MG/Divulgação
Primeira mulher a assumir o cargo de diretora da Polícia Civil de Minas Gerais, delegada Andrea Cláudia Vacchiano é destituída da função após nove meses de trabalho (foto: Marco Evangelista/Imprensa MG/Divulgação)
Assim como foi previsto pela Encontro no dia 2 de junho deste ano, na matéria que falava sobre a saída da delegada Rafaela Gigliotti Brandi do comando do Detran-MG, por uma suposta perseguição política, agora, quem também teria sido vítima do mesmo problema é a chefe da Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG), delegada Andrea Cláudia Vacchiano. Ela acaba de ser destituída oficialmente da função.

Ela foi nomeada diretora da Polícia Civil em novembro de 2015, pelo governador Fernando Pimentel, num momento histórico para nosso estado. Porém, sua exoneração foi publicada nesta quarta, dia 3 de agosto, no jornal Minas Gerais. Quem assume o cargo é o delegado João Octacílio Silva Neto, que estava no comando do Detran – no lugar da delegada Rafaela Gigliotti Brandi.

Andrea Cláudia Vacchiano tem 47 anos e é delegada desde 1990, quando assumiu a Delegacia de Mulheres em Juiz de Fora. Foi chefe do 1º Departamento, responsável pela Polícia Civil em Belo Horizonte, e teve várias passagens pelo Detran, inclusive no cargo de direção, entre março e novembro de 2015.

A ex-chefe da Polícia Civil ocupou cadeira no conselho superior da PCMG também como superintendente de Planejamento, Gestão e Finanças e já foi assessora na secretaria de estado de Defesa Social. Em 2014, foi uma das coordenadoras operacionais do trabalho da Polícia Civil durante a Copa do Mundo.

Supostamente a delegada Andrea Vacchiano vinha sofrendo uma forte oposição do deputado estadual Cabo Júlio. Não se sabe qual o motivo desta suposta perseguição.

Últimas notícias

Comentários