Entenda as restrições ao uso de sangue pelas testemunhas de Jeová, que causou até a morte de um argentino

A mulher de um empresário argentino, baleado num assalto, não autorizou a transfusão de sangue, por serem testemunhas de Jeová

por Marcelo Fraga 06/09/2016 08:32

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Pixabay
Até que ponto uma religião pode se colocar acima da necessidade de se salvar vidas? Entenda como funciona a proibição da doação e recepção de sangue peas testemunhas de Jeová (foto: Pixabay)
Cada religião possui suas próprias crenças e doutrinas, chamadas de dogmas. Estes, determinam como devem agir os seguidores ou fiéis. No caso dos católicos, por exemplo, não é recomendado o consumo de carne vermelha durante a quaresma, período que antecede a Páscoa. Por sua vez, os evangélicos são orientados a manterem a castidade até o casamento. Já os judeus, não consomem carne suína, e os muçulmanos, não ingerem qualquer tipo de bebida alcoólica. Mas, entre os preceitos mais polêmicos está um ligado às testemunhas de Jeová, que não podem doar ou receber sangue, nem mesmo em caso de cirurgia ou situações de emergência.

Essa proibição causou a morte de um empresário argentino, que foi baleado após um assalto na cidade de Caseros, no dia 22 de julho deste ano. Ele ficou internado, agonizando, por três dias no hospital, já que sua mulher não autorizou a realização de uma transfusão de sangue, necessária para a feitura da cirurgia de urgência. Após o falecimento do empresário, o irmão da vítima disse à imprensa argentina que vai processar a cunhada por negligência.

Base religiosa

A reportagem da Encontro tentou contatar representantes das testemunhas de Jeová em Belo Horizonte, e não obteve retorno. Mas, segundo o portal oficial da instituição religiosa, a restrição quanto ao uso de sangue é baseada em diversas passagens da Bíblia. "Tanto o Velho quanto o Novo Testamento claramente nos ordenam a nos abster de sangue. Sangue, para Deus, é vida. Logo, nós evitamos 'tomar' sangue por qualquer via, em obediência e respeito a Ele, que é o único doador de vida", diz o texto sobre o polêmico assunto publicado no site da instituição.

Entre as várias seções do portal das testemunhas de Jeová que abordam a polêmica entorno das transfusões de sangue, uma delas admite que a prática pode ser considerada extremista e, até mesmo, suicida para a maioria das pessoas que não seguem a religião. No entanto, o mesmo texto apresenta uma "defesa" para esse dogma, argumentando que vários estudos científicos "comprovariam a existência" de técnicas para que os médicos não precisem fazer transfusões de sangue em seus pacientes, inclusive em cirurgias.
Facebook/Reprodução
Em Belo Horizonte, também vemos como esse dogma das testemunhas de Jeová causa transtorno. No Facebook, uma mulher estava à procura de médico que não trabalha com transfusão de sangue (foto: Facebook/Reprodução)

Ponto de vista médico

Apesar do site das testemunhas de Jeová no Brasil possuir um artigo dizendo como os profissionais da Medicina devem "atender" os membros desta religião, o Conselho Regional de Medicina de Minas Gerais, por meio de sua assessoria de imprensa, informou à Encontro que os médicos são orientados a seguirem a resolução 1021/80, do Conselho Federal de Medicina (CFM), que trata exclusivamente do atendimento a esses fiéis.

O documento do CFM, que leva em consideração o Código de Ética Médica, determina que o profissional da Medicina só pode deixar de fazer a transfusão de sangue caso a vida do paciente não esteja em risco. Do contrário, a transfusão deve ser feita, independentemente de estar ligada a questões religiosas.

Últimas notícias

Comentários