Já existem clínicas de orientação para crianças transgênero nos Estados Unidos, acredita?

O tema é polêmico já que os estabelecimentos atendem crianças a partir dos 3 anos de idade

por Marcelo Fraga 08/11/2016 11:10

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Facebook/momgelina.joliepitt/Reprodução
Shiloh, filha de Angelina Jolie e Brad Pitt, que está com 10 anos, desde quando tinha apenas 2 vem se comportando como menino. Recentemente, pediu que fosse chamada de John (foto: Facebook/momgelina.joliepitt/Reprodução)
Quando uma pessoa se identifica como pertencente ao sexo oposto determinado pelo nascimento é chamada transgênero, ou, simplesmente, trans. Isso quer dizer que um indivíduo pode nascer com as características e com o órgão genital femininos, mas se sentir como um homem, ou, ao contrário, nascer com as características masculinas, apesar de ter a consciência de que é uma mulher.

Para alguns especialistas americanos, a partir dos 3 anos de idade já é possível identificar se uma criança é ou não transgênero. Prova disso é que os Estados Unidos possuem, atualmente, várias clínicas que oferecem orientação psicológica para crianças que são diagnosticadas com o chamado transtorno de identidade de gênero (ou disforia de gênero), que as tornam trans, de acordo com matéria publicada no site americano de notícias Buzzfeed.

Essas instituições médicas, segundo a matéria, são chamadas de "clínicas de afirmação de gênero" e estão se tornando cada vez mais comuns nos EUA. Uma delas, chamada de Genecis, fica na cidade de Dallas, no Texas, e crianças e adolescentes. As clínicas teriam como objetivo ajudar as crianças trans a viverem bem com a identidade com a qual se identificam.

Segundo especialistas ouvidos pelo Buzzfeed, as crianças e os adolescentes transgênero têm de duas a três vezes mais chances de cometerem suicídio ou de entrarem em depressão profunda devido a problemas de convívio com os pais ou com a sociedade.

Criança transgênero?

Para a psicóloga Dalcira Ferrão, do Conselho Regional de Psicologia de Minas Gerais, não é possível afirmar, ainda na infância, se uma criança é transgênero. "Por volta dos 4 ou 5 anos é comum que as crianças invertam os papéis nos jogos ou brincadeiras, mas, até os 6, não podemos afirmar se ela é ou não transgênero", diz a especialista.

Ela explica que a partir dos 6 anos os sinais de transição de gênero podem ficar mais evidentes. Neste caso, segundo a psicóloga, a criança começa a se comportar, com mais frequência e intensidade, de maneira diferente do que é "natural" para seu sexo de nascimento.

Dalcira Ferrão ressalta que é importante que os pais busquem orientação profissional para que seja feita uma avaliação da situação dos filhos em caso de falta de identidade com o gênero de nascimento. "Os pais precisam estar abertos para ouvirem e observarem os filhos e não repreendê-los ou recriminá-los pelo comportamento. O acompanhamento psicoterápico é importante para determinar se a criança é transgênero. A partir daí, é necessário mostrar que não se trata de uma doença ou um transtorno", esclarece a psicóloga. "O profissional que faz o acompanhamento deve cuidar não só da criança, mas também da família, pois ocorrerão muitas mudanças e o preconceito é iminente", completa a especialista.

Últimas notícias

Comentários