Publicidade

Estado de Minas INTERNACIONAL

Francês não sabia que desenho herdado do pai era de Leonardo Da Vinci e estava avaliado em R$ 63 milhões

Médico aposentado nem sabia que a obra era do século XV, do mais famoso pintor italiano


postado em 14/12/2016 12:22

Às vezes as pessoas herdam obras de arte valiosas, mesmo sem saber. É o caso de um médico francês aposentado, que não quis ser identificado, que herdou do pai uma pasta com 15 ilustrações antigas. Como não sabia se tinham algum valor, resolveu levá-las à casa de leilões Tajan. Foi, então, que descobriu que um dos desenhos pertencia a ninguém menos que Leonardo Da Vinci, e que estava avaliado em 15 milhões de euros, cerca de R$ 63 milhões.

Em entrevista ao jornal americano The New York Times, Thaddée Prate, responsável pela área de imagens antigas da Tajan, conta que ao avaliar as figuras, percebeu que uma delas o estava deixando intrigado. "Tive a impressão de que o curioso desenho era do século XVI, e que iria exigir algum trabalho para ser identificado", diz Prate.

Com a ajuda de um especialista, após uma análise em conjunto, eles começaram a desconfiar que a ilustração pertencia ao famoso pintor italiano Da Vinci. "Eu disse 'não acredito que isto é do Leonardo'", conta o perito da casa de leilões.

Com o desenho em mãos, ele viajou até Nova Iorque e o apresentou à curadora do museu Metropolitan, Carmen C. Bambach. "Os meus olhos saltaram do rosto", afirma  Bambach ao New York Times. Ela explica que a ilustração deve ser um rascunho da obra São Sebastião e que, até aquele momento, era considerada perdida.

O desenho milionário do médico francês aposentado deve ter sido feito entre 1482 e 1485, na primeira fase de Leonardo Da Vinci, quando ainda trabalhava em Milão, na Itália. Nessa época, o célebre pintor realizou uma de suas obras-primas, a Madonna das Rochas.

O governo da França pode declarar a ilustração de Da Vinci um patrimônio nacional. Mas, para que isso seja feito, precisa adquirir a obra pelo valor de mercado, ou seja, deve pagar R$ 63 milhões. A lei francesa garante um prazo de 30 meses para que seja tomada a decisão.

Os comentários não representam a opinião da revista e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade