Publicidade

Estado de Minas MEIO-AMBIENTE

Parque nacional do Caparaó continuará fechado à visitação pública

Segundo o ICMBio, que administra a unidade de conservação, a intenção é impedir que a febre amarela se espalhe para outras regiões


postado em 22/02/2017 12:00

O Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) determinou no sábado, dia 18 de fevereiro, a manutenção do fechamento temporário do parque nacional do Caparaó, na divisa dos estados de Minas Gerais e Espírito Santo. Segundo a instituição, a suspensão da visitação por mais 15 dias busca resguardar a saúde da população por causa do surto de febre amarela que atinge a região.

A decisão do ICMBio está alinhada com recomendações das secretarias estaduais de Saúde de Minas Gerais e do Espírito Santo, das prefeituras locais e da Vigilância Sanitária. O objetivo é evitar que o surto de febre amarela, que se concentra em cidades do leste de Minas e municípios fronteiriços capixabas, se alastre para outras regiões.

O parque nacional do Caparaó abrange quatro municípios no lado mineiro – Alto Caparaó, Caparaó, Alto Jequitibá e Espera Feliz – e seis no lado capixaba – Iúna, Ibitirama [onde fica o Pico da Bandeira], Irupi, Dores do Rio Preto, Divino de São Lourenço Guaçuí e Alegre.

Neste período do ano o parque costuma atrair muitos visitantes. Seus principais acessos são o portal Pedra Menina, em Dores do Rio Preto (ES), por onde se chega à Casa Queimada, início da trilha via Caparaó-Capixaba para o Pico da Bandeira; e o portal Alto Caparaó, no município de Alto Caparaó (MG), com estrada até o mirante do acampamento Tronqueira, origem da trilha pela vertente mineira ao Pico da Bandeira. Todos eles estão, desde o dia 3 de fevereiro, fechados ao público.

Cientistas ligados à conservação dos primatas expediram na quarta-feira, dia 15 de fevereiro, uma nota à imprensa, alertando para um desastre ambiental "gravíssimo" que ocorre neste momento: a mortandade sem precedentes na história do país de macacos da Mata Atlântica em função do vírus da febre amarela.

No comunicado, os especialistas mostram-se preocupados, não só com a dimensão das mortes de animais, mas, também, com a disseminação de "informações equivocadas", que dão a entender que os macacos são responsáveis pela "existência do vírus" e "por sua transmissão aos humanos". Isso não procede, fazem questão de destacar os estudiosos, que pedem na nota o apoio da imprensa para a divulgação das informações corretas.

Segundo eles, os macacos, assim como os humanos, não transmitem o vírus. Pelo contrário, são vítimas da doença. Ao serem contaminados, os primatas cumprem a função de "sentinela", ou seja, alertam para o surgimento da doença. Por isso, em vez de molestados, devem ser preservados.

As "informações equivocadas", ressaltam os pesquisadores, já estão levando pessoas, principalmente nas áreas rurais onde ocorre o surto, a maltratarem ou, até, matarem macacos para, supostamente, se proteger da febre amarela, como ocorreu entre 2008 e 2009 no Rio Grande do Sul. "Isso não pode se repetir", diz a nota dos biólogos.

O documento é subscrito por primatólogos, zoólogos, ecólogos, veterinários, epidemiologistas e gestores públicos, membros de conceituadas universidades, sociedades científicas, centros de pesquisa e instituições voltadas para a conservação dos primatas.

(com assessoria do ICMBio)

Os comentários não representam a opinião da revista e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade