Publicidade

Estado de Minas BEM-ESTAR

Mapeamento genético ajuda a definir a melhor dieta e os melhores exercícios para cada pessoa

Método não é invasivo e pode ser feito a partir dos 2 meses de vida


postado em 30/03/2017 13:00

Muita gente faz de tudo para tentar emagrecer, mas não consegue. A verdade é que além da disposição e da força de vontade, a genética também contribui para a capacidade de se perder peso. Não é à toa que para cada indivíduo existe um tipo de exercício e uma dieta adequada. Isso pode ser feito por meio do exame de mapeamento genético nutricional.

Segundo a nutricionista Nina Caselato, o mapeamento genético pode ser realizado apenas uma vez, na vida. "Ele pode ser feito a partir dos dois meses de idade, é indolor e não invasivo. São coletadas amostras de DNA da pele as bochechas. Essa ação dura cerca de 30 segundos de cada lado", esclarece a especialista.

Com o exame, o nutricionista saberá qual o perfil metabólico específico para cada paciente. "Assim, podemos entender como o metabolismo da pessoa funciona, quais nutrientes o corpo mais precisa e os que você deve deixar de lado, ajudando no controle e na perda de peso. Além disso, ajuda a distinguir quais as deficiências de vitaminas e minerais do paciente, sensibilidades alimentares, além da capacidade antioxidante e detoxificante do organismo", garante Nina Caselato.

Ainda de acordo com a especialista, o resultado do teste permite identificar as possíveis doenças que o paciente pode desenvolver ao longo da vida e direcionar os exercícios físicos que são mais eficazes.

Vale dizer que o exame está disponível há pouco tempo no Brasil e por ser analisado por um laboratório na Itália. O resultado sai entre 40 e 45 dias. Além disso, o valor cobrado pelo procedimento é tabelado. Ainda de acordo com a nutricionista, não existe contraindicação.

Os comentários não representam a opinião da revista e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade