Governo de Minas dá mais um passo para transformar a viola em patrimônio

O Iepha-MG está realizando um cadastro de todos os construtores e tocadores de viola no estado

por Encontro Digital 12/05/2017 11:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Rui Mendes/Chicolobo.com.br/Reprodução
O famoso violeiro Chico Lobo, natural de São João Del-Rei, ajuda a levar o nome de Minas Gerais pelo mundo afora e a valorizar a viola típica do estado (foto: Rui Mendes/Chicolobo.com.br/Reprodução)
O governo de Minas Gerais dá mais um passo importante para reconhecer o modo de tocar e fazer viola como patrimônio imaterial do estado. Está em andamento o mapeamento dos construtores e tocadores desse instrumento, que estão sendo convidados a se cadastrar no site do Instituo Estadual de Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais (Iepha-MG).

O levantamento vai permitir ao Iepha-MG mapear quantos são e quem são os responsáveis por perpetuar uma das mais tradicionais características da cultura mineira e, dessa maneira, endossar o pedido de abertura do processo de registro junto ao Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

Como esclarece Françoise Jean, diretora de Proteção e Memória do Iepha-MG, os violeiros que quiserem efetuar o cadastro terão o apoio das prefeituras. "Aquelas secretarias de cultura que promoverem o cadastro dos violeiros nos seus municípios vão ganhar uma pontuação extra no ICMS Cultural, que se reverte em recursos de repasses de ICMS", esclarece a especialista, que também enaltece os benefícios da iniciativa para a criação de políticas públicas assertivas para o setor.

Tradição mineira

Para o violeiro Chico Lobo, reconhecido músico mineiro com mais de 30 anos de carreira, o mapeamento é muito importante na medida em que vai catalogar tanto os mestres violeiros do interior quanto os artistas que vivem da viola. "A gente tem o reconhecimento no Brasil de que Minas Gerais é o grande celeiro dos violeiros", comenta o artista. "É um instrumento que está no cotidiano, na vida do mineiro", complementa o instrumentista.

O costume de fazer e de tocar a viola está presente em grande parte do território mineiro e dialoga com muitas outras práticas tradicionais, como as folias, congadas e demais festejos populares. Nas celebrações religiosas, por exemplo, atua como fio condutor de todo o ritual. Por sua vez, nas comunidades rurais, a música assume o papel de elemento mediador das relações sociais.

Para a violeira Letícia Leal, que também é professora de viola caipira, o instrumento musical típico de Minas tem uma sonoridade peculiar e uma forma única de tocar. "A gente, como violeiro, tem que entender isso e explorar o instrumento ao máximo para levá-lo a outros patamares. Isso a gente não consegue fazer sozinho. Então, quando você se une a outros na discussão, você consegue agregar e mostrar uma força", comenta a artista mineira.

(com Agência Minas)

Últimas notícias

Comentários