Presidente interino do BNDES diz que banco deve dar atenção às pequenas e médias empresas

Para Ricardo Ramos, os investimentos do BNDES precisam ser mais claros

por Encontro Digital 31/05/2017 14:20

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
BNDES/Divulgação
(foto: BNDES/Divulgação)
O presidente interino do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Ricardo Ramos, afirma que a instituição tem trabalhado no aumento da transparência sobre o acesso às linhas de crédito voltadas para pequenas e médias empresas. Ele participou do Fórum de Investimentos Brasil 2017, realizado nesta quarta, dia 31 de maio, na cidade de São Paulo (SP).

Ramos substitui Maria Silvia Bastos Marques, que deixou a presidência há cinco dias. O economista Paulo Rabello de Castro, indicado pelo presidente Michel Temer, ainda não assumiu o cargo. Segundo o presidente interino, o incentivo à pequena e média empresa está entre as três grandes áreas do BNDES, que incluem também infraestrutura e inovação.

O banco disponibiliza na internet, de acordo com ele, as linhas de financiamento para as empresas de menor porte. "Numa tentativa de dar mais acesso ao crédito, dar mais transparência. A gente está com foco bastante preciso nesse público. Assim, o próprio empresário consegue entender as possibilidades que ele tem", comenta Ricardo Ramos.

Riscos

O presidente interino do BNDES defende que os riscos relativos aos projetos estruturais, como construção e duplicação de estradas e implantação de metrô, fiquem mais claros. "O que acontecia é que todos os potenciais riscos não eram colocados antes da análise dos projetos e o banco começava a encontrá-los depois. Isso atrapalhou o desenvolvimento dos projetos", diz Ramos.

Para ele, é preciso ter regras mais claras para identificar os impasses para licenciamentos ambientais e embates com agências reguladoras. "Tudo isso está sendo trabalhado pelo governo. É muito diferente um metrô e uma duplicação de estrada, são riscos diferentes. Tem que trazer players [atores] acostumados com os diferentes riscos", completa.

(com Agência Brasil)

Últimas notícias

Comentários