Que tal armazenar dados numa molécula de DNA?

Cientistas americanos conseguiram guardar 214 mil GB numa única molécula de DNA

por Encontro Digital 08/05/2017 15:40

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Pixabay
Sabia que, no futuro, poderemos substituir os HD's pelo armazenamento de dados em moléculas de DNA? (foto: Pixabay)
Pesquisadores da Universidade de Columbia e do Centro de Genoma de Nova Iorque, ambas nos Estados Unidos, propuseram uma solução alternativa para o problema futuro de armazenamento de dados (ou informação). De acordo com o estudo, publicado na renomada revista Science, os cientistas conseguiram compactar arquivos digitais e guardá-los de forma inédita dentro do DNA.

No estudo, foram armazenados com êxito 214 PB (petabytes) de dados, ou 214 mil GB, em uma única molécula de DNA – componente orgânico responsável por guardar as instruções genéticas que coordenam o desenvolvimento e o funcionamento de todos os seres vivos e de alguns vírus, e que transmite as características hereditárias para as futuras gerações.

Os dados continham seis arquivos: um filme francês de 1895 dos irmãos Lumière, chamado A Chegada de um Trem na Estação de Ciotat; um trabalho de pesquisa científica de 1948; um sistema operacional de computador; um vale-presente da Amazon de US$ 50; uma foto; e um vírus de computador.

Os pesquisadores conseguiram recuperar os arquivos do DNA sem nenhum erro. "Nós geramos mais e mais dados sobre nós mesmos e há uma crescente demanda para ter melhores dispositivos de armazenamento. Vemos uma espécie de desaceleração na taxa de inovação no campo do armazenamento tradicional e na mídia magnética", comenta Yaniv Erlich, professor assistente de Ciência da Computação na Universidade de Columbia, em entrevista à rádio Sputnik Internacional.

Segundo o especialista, está ficando cada vez mais difícil criar dispositivos de armazenamento em tamanhos muito reduzidos, ao passo que o DNA é uma molécula microscópica capaz de guardar grandes quantidades de informação. "Essa é a escolha da evolução. Ela viabilizou a informação mais importante, que é basicamente o modelo de nossa vida. Então, nós mostramos que podemos colocar essa informação no DNA e otimizá-la, ficando perto de ter uma configuração ótima de armazenamento de dados. Além disso, fomos capazes de recuperar essa informação sem nenhum erro", explica o professor.

Ainda de acordo com Erlich, empresas que trabalham com grande quantidade de dados, como a Amazon, a IBM e o Google, estão decididas a manter as informações por um período mais longo de tempo e, sendo assim, desejam aproveitar as vantagens do DNA.

Sobre o futuro dessa tecnologia surpreendente, o especialista esclarece que, atualmente, ela ainda é muito cara, o que inviabiliza sua comercialização – ao contrário do acessível disco rígido (hard drive ou HD). No entanto, conforme já se viu no passado, com outros tipos de inovações tecnológicas, em breve, teremos uma redução nos custos, o que deixerá a novidade mais barata.

(com Agência Sputnik)

Últimas notícias

Comentários