Publicidade

Estado de Minas MEIO-AMBIENTE

Jardim botânico de BH usa homeopatia para tratar as plantas

A iniciativa da Fundação Zoo-Botânica de Belo Horizonte é inédita no Brasil


postado em 12/07/2017 16:31

Quem disse que a homeopatia serve apenas para tratar pessoas e pets doentes? O jardim botânico da Fundação Zoo-Botânica de Belo Horizonte (FZB-BH) se tornou pioneiro no país ao utilizar tratamento homeopático no controle de pragas e doenças nas plantas. Além disso, a instituição promove o desenvolvimento de pesquisas e relacionadas aos cuidados com a saúde das plantas.

Desde o início da utilização da homeopatia nas plantas do jardim botânico em 2003, segundo a FZB-BH, já foram alcançados resultados expressivos e avanços, muitos deles com o auxílio de trabalhadores voluntários, na maioria estudantes da Universidade Federal de Viçosa. "Foram desenvolvidos dezenas de projetos e tratamentos homeopáticos de plantas. Alguns desses resultados, inclusive, foram apresentados em eventos nacionais e internacionais", conta a engenheira agrônoma Marina Portugal Torres.

Além de auxiliar na recuperação das plantas e de melhorar a defesa natural delas, o tratamento homeopático ainda traz como benefícios a sustentabilidade e o baixo custo. "Considerando que nossa missão institucional preconiza a preservação ambiental e o respeito à vida, seria uma incoerência o uso de agrotóxicos e de outras práticas poluentes. Além disso, tem baixo custo e foge da dependência dos conglomerados agroindustriais produtores de insumos. A homeopatia estimula o sistema de defesa dos organismos de modo que resistam às doenças, aos insetos-praga e aos impactos dos fatores climáticos ou ambientais, e promove o equilíbrio sem extinguir vírus, fungos, bactérias, insetos e outros tipos de agentes", explica Marina Torres.

Apesar do ceticismo e da desinformação de muitos críticos com relação à homeopatia, a engenheira agrônoma ressalta que o papel dessa prática centenária no cuidado com a saúde das plantas em um jardim botânico deve ser fomentado, tanto na parte de pesquisa como nas políticas públicas para a produção agropecuária, florestal e de preservação ambiental.

(com assessoria de imprensa da FZB-BH)

Os comentários não representam a opinião da revista e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade