Publicidade

Estado de Minas BEM-ESTAR

Manchas no rosto podem indicar melasma, sabia?

A boa notícia é que esse problema de pele tem tratamento


postado em 14/09/2017 09:50

Manchas escuras na pele, mais comumente na face, são características típicas do melasma, um problema que afeta cerca de 65% das mulheres em idade fértil, mas que muitas vezes acaba passando batido. Não há uma causa definida para essa condição, mas, em muitos casos, ela está relacionada ao uso de anticoncepcionais femininos, à gravidez e, principalmente, à exposição solar.

O fator desencadeante, segundo a Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), é a exposição à luz ultravioleta e, até mesmo, à luz visível. Além destes elementos, a predisposição genética também influencia no surgimento do melasma.

Os sintomas mais comuns são manchas escuras no rosto, principalmente na região das maçãs, da testa, do nariz e do buço. Pode ocorrer também o melasma extrafacial, com aparecimento das marcas nos braços e no pescoço.

A boa notícia é que existe tratamento para esse problema de pele. Caso apareçam manchas na região do rosto ou do pescoço, a pessoa deve procurar um dermatologista para diagnosticar e avaliar a condição.

Conforme a SBD, os tratamentos variam, mas uma recomendação comum é a proteção contra raios ultravioleta. Dentre os procedimentos realizados para a diminuição das machas estão os peelings e as aplicações de luzes ou lasers. Em todos os métodos estão previstas um conjunto de medidas para clarear, estabilizar e impedir que o pigmento volte a afetar a pele.

A principal prevenção para o melasma, como mostra a SBD, é a proteção contra o Sol, mesmo em dias nublados. Para isso, a recomendação é que se aplique filtro solar e use chapéus, bonés, óculos escuros, sombrinhas e guarda-sóis.

Os comentários não representam a opinião da revista e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade