Publicidade

Estado de Minas CIDADE

Que tal visitar o borboletário de Belo Horizonte?

São mil exemplares de borboletas e mariposas que são típicas da região da capital mineira


postado em 20/10/2017 10:50

Quer uma ótima dica de passeio para levar a garotada? Que tal visitar o borboletário do jardim zoológico da Fundação de Parques Municipais e Zoobotânica da Prefeitura de Belo Horizonte (PBH)? O local é preparado para receber grupos escolares, famílias e outros interessados em conhecer o ciclo completo de vida de mariposas e borboletas. Os visitantes ainda podem compartilhar o mesmo espaço com os animais, no viveiro de exposição, e desfrutar da beleza das formas e cores desses insetos que promovem um verdadeiro balé com o movimento de suas delicadas asas.

Com a Primavera, o borboletário apresentar ainda mais exemplares de borboletas e mariposas. Isso porque, passados os meses mais frios do ano, em que ocorre a diapausa, ou seja, a redução do crescimento e do desenvolvimento de alguns animais, em especial insetos, geralmente relacionada às estações do ano, o retorno dos dias mais quentes é o momento propício para a reprodução e desenvolvimento desses bichinhos.

É na Primavera, também, que a oferta de plantas-alimento e plantas ornamentais, atrativas para as espécies, aumenta consideravelmente. As borboletas executam as danças de acasalamento ou voam pelo espaço em busca das plantas atrativas e ornamentais, cujas flores e folhas servem de local para a postura de ovos e repouso. Entre as vegetações do norboeltário, destaque para a camará, a sálvia-de-jardim, o camarão-azul, a falsa-érica, a titônia, a zínia, o miosótis e a penta. Outras espécies compõem o bosque para o repouso dos animais, como embaúba, aldrago, manacá e pariparoba.

Segundo a Fundação de Parques Municipais e Zoobotânica, atualmente, o borboletário mantém, em média, mil indivíduos de 10 espécies de borboletas que ocorrem naturalmente na região de Belo Horizonte.

Visita

Por ter uma proposta diferenciada do zoológico, a visita ao borboletário acontece em duas fases: primeiramente, o visitante assiste a um vídeo sobre o ciclo de vida das borboletas e das mariposas, sobre habitat e hábitos, e conversa com um dos monitores sobre outras curiosidades presentes nos painéis educativos e informativos; em seguida, o público é encaminhado ao viveiro de exposição, uma área com 250 m² e 5 m de altura onde adultos e crianças entram em contato com os isnetos.

O borboletário é composto, ainda, pelo laboratório, onde são mantidas as formas juvenis das borboletas – ovos, lagartas e pupas –, e pelo viveiro para a produção de plantas, local em que são cultivadas espécies que servem de alimentos para as lagartas e suas formas juvenis.

(com assessoria de imprensa da PBH)

Os comentários não representam a opinião da revista e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade