Saiba o que fazer para não perder a garantia de fábrica de seu veículo '0 km'

Não realizar a manutenção preventiva e usar peças genéricas podem virar dor de cabeça para os proprietários

por Marcelo Fraga 09/10/2017 08:45

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Honda/Divulgação
Ao adquirir um veículo '0 km', fique atento para não perder a garantia de fábrica. Confira as dicas do diretor de pós-venda da Saitama, de Belo Horizonte (foto: Honda/Divulgação)

Somente nos primeiros oito meses de 2017 foram emplacados mais de um milhão de veículos no Brasil, de acordo com dados da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave). Ainda segundo a entidade, o mês de agosto foi o de maior número de emplacamentos, registrando, ainda, uma alta de 17,75% em relação ao mesmo mês do ano passado.

Os números da Fenabrave indicam que cada vez mais veículos "0 km" estão circulando pelas ruas do país. Se você está entre os felizes proprietários de um modelo adquirido "novinho em folha", sabe das inúmeras vantagens que o carro "zero" possui, incluindo a garantia de fábrica, que é de responsabilidade da montadora e da concessionária onde o veículo foi adquirido. Mas, para desfrutar desse benefício, é importante seguir algumas regras.

Modificações no veiculo

De acordo com Lívio Rosa, gerente geral de pós-venda da concessionária Saitama, da Honda, em Belo Horizonte, alterações no carro, como a instalação de blindagem contra armas de fogo, quando não é homologada pela montadora, acaba anulando a garantia. "Uma blindagem automotiva pesa, em media, 250 kg, o que requer uma serie de adaptações no veiculo, não só para que seja feita a instalação, mas para minimizar o impacto do peso extra que o carro precisa suportar", comenta o especialista.

Outra alteração comum, que também ocasiona perda da garantia, segundo Lívio Rosa, é a conversão do motor para outro tipo de combustível – como mudar de gasolina para gás. Ele lembra que os carros são testados para terem melhor desempenho e rendimento com determinado combustível, ou com mais de um, no caso dos modelos flex. Quando ocorre uma adaptação deliberada do motor, fugindo ao que está previsto no projeto original do veículo, podem surgir consequências prejudiciais, imediatas ou em médio prazo, alerta o gerente da Saitama.

Manutenção preventiva

Lívio lembra que, ao comprar um carro "0 km", a concessionária tem a obrigação de lhe entregar os manuais do veículo, contendo o plano de manutenção periódica, que deve ser realizado em qualquer estabelecimento da rede autorizada da marca. Vale destacar que é dever do comprador cumprir o planejamento, ou a garantia será anulada.

O especialista alerta que, sem a execução das revisões programadas, o fabricante não tem como atestar e assumir qualquer falha que venha a ocorrer no automóvel. "As manutenções preventivas visam, principalmente, o bom funcionamento do veiculo, para que, em caso de falhas decorrentes da montagem ou das peças originais, seja feito o reparo ou a substituição gratuitamente", esclarece o gerente de pós-venda.

Adulteração do hodômetro

Como se sabe, o equipamento que registra a quilometragem já percorrida pelo veículo é chamado de hodômetro. Justamente por isso ele é responsável por indicar o momento certo de se realizar a manutenção preventiva planejada pelo fabricante. No entanto, algumas pessoas adulteram os dados do aparelho, para que o carro pareça mais novo, ou seja, exiba um número menor de quilômetros percorridos.

O especialista da Saitama lamenta que essa pratica seja corriqueira e lembra que existem equipamentos que possibilitam descobrir se a quilometragem original do veículo foi modificada. Neste caso, de acordo com Lívio Rosa, a garantia é extinta, pois a adulteração do hodômetro interfere diretamente no plano de manutenção preventiva.

Acessórios não originais

Outro ato comum realizado por donos de automóveis "0 km", e que pode anular a garantia da fábrica, é a instalação deliberada de acessórios não oficiais, como faróis de neblina e vidros elétricos.

Conforme o gerente, a garantia é anulada porque o processo de conexão desses acessórios interfere diretamente no sistema elétrico do automóvel. Por exemplo, fios podem ser cortados indevidamente, prejudicando diretamente o consumo de bateria e todo o funcionamento da parte elétrica do carro. "Em casos mais críticos, é necessário desfazer todo o processo de instalação, substituindo os conjuntos de fios adulterados por originais, o que gera um alto custo para o proprietário", diz o especialista.

Lívio Rosa reafirma que é preciso estar atento a todas essas questões, para evitar que o veículo perca a garantia original de fábrica. Em caso de dúvidas, ele lembra que sempre devem ser consultados os manuais ou a loja onde o veículo foi adquirido.

Últimas notícias

Comentários