Segundo a Fecomércio, confiança dos comerciantes de Belo Horizonte está próxima do otimismo

Índice de setembro, divulgado pela entidade, chegou a 95,5 pontos

por Da redação com assessorias 11/10/2017 15:51

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Agência Brasil/Divulgação
(foto: Agência Brasil/Divulgação)
A Fecomércio de Minas Gerais acaba de divulgar o Índice de Confiança do Empresário do Comércio de Belo Horizonte e a boa notícia é que ele voltou a subir em setembro, quase atingindo o nível do otimismo (100 pontos). Após três quedas consecutivas, o indicador passou de 92,3 pontos, em agosto, para 95,5. Trata-se do maior índice para o mês desde 2014.

O levantamento da Fecomércio tem como base os dados coletados mensalmente pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo, compilados e analisados para a capital mineira. De acordo com Elisa Castro, analista de pesquisa da entidade mineira, os números apontam para o aumento do otimismo, especialmente em função da melhora gradual do desempenho do comércio ao longo do ano. "Além disso, os preparativos para as festas de fim de ano estão estimulando as intenções de investimento", destaca a especialista.

O Índice de Expectativa do Empresário do Comércio (Ieec) também cresceu em setembro: passou de 127,7 para 128,1. Segundo a Fecomércio, isso mostra que há boas perspectivas para os próximos meses, tanto em relação à própria empresa, quanto ao setor e à economia do Brasil. Cerca de 74% dos entrevistados acreditam em um cenário mais favorável para o comércio no futuro.

O reflexo dessa percepção aparece ainda no Índice de Investimento do Empresário do Comércio, que fechou setembro em 83,2 pontos, acima dos 80,8, registrados em agosto. "As próximas datas comemorativas [Black Friday, Natal e Réveillon] e a injeção do 13º salário estimulam os empresários. Para atender as demandas do período, eles precisam fazer adaptações nas lojas", comenta Elisa Castro. No momento, pouco mais da metade das empresas (51,4%) está com estoques em nível adequado, e 43,1% pretendem ampliar o quadro de funcionários.

Últimas notícias

Comentários