Publicidade

Estado de Minas ECONOMIA

Compras feitas pela internet devem superar as lojas físicas no Natal 2017

Segundo o SPC Brasil, 40% dos consumidores pretendem comprar mimos natalinos na internet


postado em 08/11/2017 15:45 / atualizado em 08/11/2017 15:50

As vendas pela internet devem crescer neste ano, tornando o comércio virtual o principal meio de compras para o Natal 2017, segundo pesquisa divulgada nesta quarta, dia 8 de novembro, pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil). O levantamento feito nas 27 capitais brasileiras indicou que 40% dos consumidores pretendem adquirir presentes usando a rede mundial de computadores. Desse total, 54% disseram que pretendem comprar mais da metade das lembranças de fim de ano dessa forma.

O número indica que as compras pela internet devem superar as feitas em centros comerciais, estimadas para este ano em 37%. Em 2016, os centros comerciais, como os shoppings centers, responderam por 41% das vendas de Natal, enquanto o comércio eletrônico correspondeu a 32%. Em 2017, 37% dos consumidores ainda pretendem ir a lojas de departamento, 26% a lojas de bairro e 13% a shoppings populares.

Sobre a escolha dos locais de compra, 58% dos consumidores disseram que escolhem o local pelo preço; 50% pelas ofertas e promoções; 27% pela diversidade de produtos; e 20% pelo atendimento.

Para Marcela Kwauti, economista-chefe do SPC Brasil, o crescimento do comércio eletrônico é uma tendência que deve, inclusive, pressionar as lojas físicas a disputar a preferência dos consumidores. "Isso ia acontecer em algum momento, por conta da crise ou mesmo que a gente não tivesse tido a crise. A internet vem ganhando espaço e isso não tem volta", comenta a especialista.

Dentro do comércio virtual, as páginas de grandes empresas são a opção de 68% dos compradores, seguida pelos sites de classificados de compra e venda (42%) e os especializados em roupas, calçados e acessórios (34%).

(com Agência Brasil)

Os comentários não representam a opinião da revista e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade