Publicidade

Estado de Minas INTERNET

Doodle do Google homenageia a célebre escritora Rachel de Queiroz

A autora de O Quinze faria 107 anos nesta sexta, dia 17 de novembro


postado em 17/11/2017 08:33 / atualizado em 17/11/2017 08:51

Nesta sexta, dia 17 de novembro, o Doodle (uma espécie de logomarca comemorativa) do buscador Google está prestando uma homenagem à grande escritora brasileira Rachel de Queiroz.

A cearense, que ficou marcada como uma das mulheres mais atuantes de nossa literatura – ao lado de nomes como Cora Coralina, Cecília Meireles e Clarice Lispector –, faria 107 anos nesta sexta (17) e foi lembrada pelo Google com uma imagem que representa bem sua obra: o cenário árido do nordeste brasileiro como cenário de fundo para uma família de retirantes.

A própria escritora fugiu da seca no Ceará com a família para buscar uma vida mais promissora no Rio de Janeiro.

História

A escritora Rachel de Queiroz nasceu em Fortaleza (CE), em 17 de novembro de 1910, e faleceu no Rio de Janeiro (RJ) em 4 de novembro de 2003. Filha de Daniel de Queirós e de Clotilde Franklin de Queirós, descende, pelo lado materno, da célebre família Alencar, que nos deu o autor de O Guarani e Senhora, o grande José de Alencar.

Em 1917, veio para o Rio de Janeiro, em companhia dos pais que procuravam fugir dos horrores da terrível seca de 1915, que mais tarde a romancista iria aproveitar como tema de O Quinze, seu livro de estreia na literatura brasileira – publicado em 1927, sob o pseudônimo de Rita de Queirós. Com menos de 20 anos, projetava-se na vida literária do país, agitando a bandeira do romance de fundo social, profundamente realista na sua dramática exposição da luta secular de um povo contra a miséria e a seca. Seu colega de profissão, o alagoano Graciliano Ramos, também ficou marcado por essa temática, ao publicar o romance Vidas Secas, em 1938.

Rachel de Queiroz ainda se consagrou com as obras Caminho das Pedras, As Três Marias e O Menino Mágico. Em 4 de agosto de 1977 foi escolhida para ser a quinta ocupante da Cadeira 5 da Academia Brasileira de Letras (ABL), no lugar de Candido Motta Filho. A escritora recebeu inúmeros prêmios da literatura nacional e foi membro do Conselho Federal de Cultura, desde a sua fundação, em 1967, até sua extinção, em 1989. Participou também da 21ª sessão da Assembleia Geral da ONU, em 1966, onde serviu como delegada do Brasil.

Os comentários não representam a opinião da revista e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade