Em 2018 teremos terremotos mais fortes devido à desaceleração da Terra

Planeta deve sofrer uma ligeira redução na velocidade de rotação, o que pode gerar mais abalos sísmicos

por Vinícius Andrade 22/11/2017 09:50

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Pixabay
Em outubro de 2016, um forte terremoto, de magnitude 6.5 na escala Richter, destruiu várias construções históricas na comunidade de Norcia, no centro da Itália (foto: Pixabay)
Cientistas americanos emitiram um alerta de que, no próximo ano, a Terra deverá registrar uma maior incidência de terremotos por conta de uma pequena desaceleração na velocidade de rotação do planeta. De acordo com os especialistas Roger Bilham, da Universidade do Colorado, e Rebecca Bendick, da Universidade de Montana, ambas instituições de ensino americanas, as variações na velocidade de rotação da Terra podem intensificar a atividade sísmica.

Essas variações no movimento, que é responsável pelos dias e pelas noites, são muito pequenas e alteram em apenas milésimos de segundos a duração do dia. O estudo apresentado durante a reunião anual da Sociedade Geológica dos Estados Unidos, no mês passado, no entanto, sugere que mesmo essas pequenas alterações podem liberar grande quantidade de energia das camadas internas do planeta.

"A correlação entre a rotação da Terra e a atividade sísmica é forte e sugere que haverá um aumento no número de terremotos potentes no próximo ano", afirma Roger Bilham, em entrevista ao jornal britânico The Guardian.

Para chegar a essa conclusão, os pesquisadores americanos analisaram os terremotos de magnitude igual ou superior a sete que ocorreram desde o ano 1900. Os especialistas descobriram que os períodos em que foram registrados sismos mais fortes ocorreram justamente depois de uma desaceleração da velocidade de rotação da Terra, mesmo que de forma sutil, como a que teremos em 2018.

Em média, foram registrados cerca de 15 grandes terremotos, todos os anos, desde 1900. Porém, em certos períodos, o planeta sofreu de 25 a 35 fortes abalos sísmicos superiores a sete graus na escala Richter no intervalo de um ano. Os estudiosos observaram ainda que, justamente nesse período, a Terra girou de forma mais lenta.

Pelos cálculos dos pesquisadores das universidades de Colorado e de Montana, pode ser que tenhamos até 20 terremotos significativos em 2018.

(com portal LiveScience)

Últimas notícias

Comentários