Publicidade

Estado de Minas BEM-ESTAR

Não faça jejum intermitente sem orientação profissional

A nova 'moda' para emagrecer é ficar muitas horas sem ingerir qualquer alimento


postado em 21/11/2017 09:53 / atualizado em 21/11/2017 10:11

Qual a melhor opção para emagrecer de forma rápida: dieta ou jejum intermitente? Muitas pessoas não gostam de mudar a rotina alimentar, no caso das dietas, e preferem, simplesmente, deixar de comer. Ou seja, passam a seguir o chamado jejum intermitente. O problema é que ele não pode ser feito de qualquer maneira, muito menos sem ajuda profissional.

Para quem não sabe, o jejum intermitente é um método de emagrecimento que visa intercalar períodos de jejum com os de alimentação normal. Segundo a nutricionista Natasha Terra, o objetivo desta prática é fazer com que o corpo utilize os estoques de gordura e, com isso, haja uma perda de massa gorda. "O jejum intermitente deve ser planejado e programado, para ser feito por um tempo determinado. Existem formas diferentes de se planejar esse jejum", comenta a especialista.

De acordo com nutricionista, o jejum intermitente pode ser feito em intervalos de oito, 12, 18 e até 24 horas. Quanto ao número de dias, pode ser realizado uma, duas ou três vezes por semana. "Os efeitos desse jejum se baseiam na expressão de genes [informações genéticas da pessoa] que estão envolvidos com o aumento da capacidade antioxidante e a oxidação de gorduras", esclarece Natasha Terra.

A especialista diz que, no jejum intermitente de 12 horas, por exemplo, faz-se a última refeição do dia anterior – no jantar – e, em seguida, dorme-se por no mínimo oito horas. Neste caso, a próxima refeição – o almoço – só será realizada às 12h. Basicamente, a pessoa não se alimenta no café e no lanche da manhã.

Durante o jejum, é permitido consumir chá e café sem adoçar, de preferência, ou utilizar algumas gotinhas de adoçante, por não conterem quantidades significativas de calorias – água não pode faltar nunca, claro.

Resultados

Conforme Natasha Terra, estudos sobre o jejum intermitente mostram que ele apresenta resultados, dependendo da resposta de cada organismo, como maior oxidação de gordura, diminuição do LDL (colesterol ruim), redução dos níveis de insulina e modulação da inflamação. "Porém, alguns estudos mostram que os efeitos de uma dieta comum de restrição calórica possuem o mesmo efeito que o jejum intermitente. Esse é um tipo de dieta bem aceita, pois o paciente não passa longos períodos sem se alimentar", explica a nutricionista.

Ela lembra ainda que o jejum intermitente deve ser feito com o auxílio de um profissional capacitado. "Para indicar o jejum, é necessário conhecer bem o paciente, como seus hábitos alimentares e perfil genético", comenta a especialista.

Os comentários não representam a opinião da revista e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade