Publicidade

Estado de Minas EDUCAçãO

Seu filho está com notas baixas e corre o risco de ser reprovado?

Especialista dá dicas para os pais agirem de forma adequada nesse momento tão difícil


postado em 13/11/2017 16:24 / atualizado em 13/11/2017 16:41

Na reta final para o encerramento do ano escolar, muitos pais podem estar em dúvida de como agir ao receber a informação de que o filho tirou notas baixas e corre o risco de ser reprovado. Segundo a pediatra Maria Isa Pereira de Souza, da Sociedade de Pediatria de São Paulo, nesse caso, não se deve deixar tudo para a última hora. "É preciso acompanhar a vida escolar da criança, principalmente no ensino fundamental, desde fevereiro, quando as aulas têm início, pois a vida escolar não começa no final do ano", critica a especialista.

A médica entende a dificuldade dos pais em fazer esse acompanhamento ao longo do ano, mas, ressalta que, mesmo que pai e mãe trabalhem fora, devem encontrar uma forma de ajudar as crianças com as tarefas escolares. "Atualmente, vemos que muitos pais delegam toda a responsabilidade para a escola e não acompanham o dia a dia dos filhos, talvez por falta de tempo. Mas, é preciso estipular uma rotina para a criança, pois a pressão de final de ano ocorre porque deixaram tudo para a última hora", comenta Maria Isa Pereira.

Para a pediatra, tentar recuperar tudo nos últimos meses é quase inviável, pois não há tempo hábil para rever toda a matéria já vista. Ainda assim, ela indica algumas atitudes que podem ajudar a criança nesse momento difícil. "Tem de ter rotina, estipular horário para estudar. Limitar em duas horas o acesso ao computador, ao videogame, ao celular e à televisão, que é orientação da Organização Mundial da Saúde, e procurar aulas de reforço certamente podem ajudar", afirma a médica.

Ela lembra que todas as escolas oferecem aulas de reforço desde o início do ano. O lazer e o esporte também são importantes. "Se a criança passa muito tempo no computador, faça com que ela pesquise sobre as matérias da escola, pois podemos usar a internet em prol do estudo", recomenda.

Em alguns casos, é preciso ir mais fundo na avaliação para descobrir se existe algum problema que esteja atrapalhando o desenvolvimento da criança. "É muito difícil para os filhos e para os pais aceitarem que existe realmente um problema de saúde que explique o mau desempenho na escola. Mas, o pediatra tem de ter sensibilidade para descobrir se o aluno é apenas relapso ou se existe motivos mais complicados para as notas ruins", diz Maria Isa.

Se o professor ou o médico percebem que há algo errado com a criança, deve indicar tratamentos com psicólogos, psicopedagogos, fonoaudiólogos ou outros profissionais que possam ajudar nesse momento.

Os comentários não representam a opinião da revista e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade