Tire algumas dúvidas sobre a criofrequência

Procedimento estético ajuda a tratar a gordura localizada, a flacidez e até celulite

por Da redação com assessorias 21/11/2017 12:11

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Abcnews.go.com/Getty Images/Reprodução
A criofrequência é mais eficaz que a famosa criolipólise, porque além de acabar com a gordura localizada, trata a flacidez da pele e ameniza as celulites (foto: Abcnews.go.com/Getty Images/Reprodução)
Para quem quer eliminar a temida gordura localizada, como os famosos "pneuzinhos", existem diversos procedimentos estéticos não invasivos que podem ajudar. Um deles é a criofrequência, técnica moderna e muito procurada nas clínicas, que promove a diminuição da gordura localizada, além de contribuir para a firmeza da pele e a redução da celulite aparente.

"A técnica utiliza a criolipólise parar resfriar a parte externa da pele em até -10º C, enquanto, simultaneamente, a radiofrequência esquenta os tecidos internos em aproximadamente 60º C. Essa combinação provoca uma série de microchoques térmicos que leva a uma tensão imediata na pele, resultando na desintoxicação e oxigenação da área tratada, além da dilatação dos vasos sanguíneos e a destruição da gordura", explica a fisioterapeuta dermato-funcional Ingrid Peres, da Onodera Estética.

Por se tratar de uma tecnologia recente no Brasil, muitas pessoas ainda possuem dúvidas sobre a criofrequência. Pensando nisso, a fisioterapeuta aproveita para esclerecer alguns questionamentos:

A criofrequência pode tratar quais problemas estéticos?
Apesar de ser indicada para tratar a gordura localizada, ela também contribui para a diminuição da flacidez e a melhora do aspecto da celulite.

Existe diferença entre criofrequência e criolipólise?
Sim. A criofrequência utiliza o choque térmico, enquanto a criolipólise aplica o congelamento como mecanismo de ação. "Uma das características que diferem os dois tratamentos é a funcionalidade, pois além de amenizar a gordura localizada, a criofrequência também trata flacidez e celulite", comenta Ingrid Peres.

O procedimento ajuda a modelar o corpo?
Sim. Como a criofrequência pode ser aplicada em todo o corpo, incluindo barriga, flancos, glúteo, panturrilha, culote, costas, braços e coxas, ela é capaz de contribuir para a melhora na silhueta.

Quantas sessões são necessárias?
O número de sessões depende da avaliação de cada paciente pelo profissional responsável, mas, geralmente, a recomendação é de oito a 10 sessões.

Qual a duração do procedimento?
Em média, no corpo, o procedimento dura de 20 a 60 minutos, dependendo da região aplicada. Pode ser realizado semanalmente para gordura e celulite e quinzenalmente para flacidez de pele.

Há alguma contraindicação?
Sim. A criofrequência não é indicada para gestantes, pessoas com marca-passo, pacientes com câncer e quem sofre com alteração de sensibilidade na região a ser tratada.

Últimas notícias

Comentários