Homens passam a ver as mulheres como objeto sexual após a ingestão de álcool

Isso é que o descobriu um estudo feito nos Estados Unidos

por Encontro Digital 22/12/2017 10:03

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.


Pixabay
(foto: Pixabay)
Segundo um estudo realizado pela Universidade de Nebraska-Lincoln, nos Estados Unidos, e publicado no site científico Medical Express, os homens quando estão embriagados podem passar a enxergar as mulheres como objetos sexuais.

O experimento contou com a participação de 50 homens, com idades entre 20 e 30 anos. Eles foram divididos em dois grupos: um que ingeria coquetéis à base de álcool; e outro que consumiu bebidas "placebo", ou seja, sem teor alcoólico. Todos os voluntários foram expostos a fotos de mulheres jovens que estavam vestidas como se fossem sair para se divertir.

Os participantes tinham de avaliar o nível de atração das mulheres, bem como fazer um perfil psicológico de cada uma. O movimento dos olhos dos homens ao observar as fotos era registrado por um sistema computadorizado.

Os cientistas americanos descobriram que os homens, após consumirem bebida alcoólica, prestavam mais atenção no peito e na região da cintura das mulheres que figuravam nas imagens do teste. Isso acontecia com mais frequência quando observavam fotos de mulheres que foram consideradas atraentes ou menos confiantes. Ao mesmo tempo, quando se tratava de mulheres rotuladas como "independentes" e "espirituais", os voluntários que não haviam consumido álcool olhavam mais para o rosto.

A pesquisa descobriu ainda que os homens que estavam sob o efeito do álcool quase não olhavam para os corpos das mulheres que foram consideradas confiantes.

"Em um ambiente com a presença de álcool, há mais oportunidades para as olhadas provocadoras, o que leva à desumanização das mulheres e gera potencial para consequências negativas, tais como abuso sexual ou discriminação no trabalho", alerta Abigail Riemer, uma das autoras do estudo, no artigo publicado no Medical Express. Ela lembra que esse tipo de pesquisa pode ajudar no combate aos assédios e às demais formas de violência contra o gênero feminino.

(com Agência Sputnik)

Últimas notícias

Comentários