Publicidade

Estado de Minas MEIO-AMBIENTE

Parques estaduais de Minas Gerais ganham novas diretrizes de visitação e conservação

Entre as novidades estão os novos horários de funcionamento e a necessidade de autorização para observação da fauna


postado em 13/12/2017 17:30 / atualizado em 13/12/2017 17:37

O parque estadual do Sumidouro, entre Lagoa Santa e Pedro Leopoldo, é um dos 11 abertos à visitação pública que também se incluem nas novas regras estabelecidas pelo Instituto Estadual de Florestas(foto: Evandro Rodney/Agência Minas/Divulgação)
O parque estadual do Sumidouro, entre Lagoa Santa e Pedro Leopoldo, é um dos 11 abertos à visitação pública que também se incluem nas novas regras estabelecidas pelo Instituto Estadual de Florestas (foto: Evandro Rodney/Agência Minas/Divulgação)
Para quem quiser visitar ou aproveitar as atrações dos 92 parques estaduais de Minas Gerais (nem todos estão abertos à visitação pública) deve ficar de olho nas novas regras estipuladas pelo Instituto Estadual de Florestas (IEF). As unidades de conservação ganharam atualizações em suas normas para uso público e a prática de observação de vida silvestre. As diretrizes foram implementadas com a publicação, pelo IEF, das portarias nº 119 e 120 no Diário Oficial do Estado.

Segundo a instituição de proteção ambiental, a finalidade é de preservar a fauna e a flora nativas do estado, principalmente as espécies ameaçadas de extinção, as nascentes, os rios, e as cachoeiras, além das formações geológicas e dos valores culturais, históricos e arqueológicos das unidades de conservação.

As regras também dispõem sobre proibições, tais como a retirada de qualquer recurso natural ou recurso mineral, salvo, quando pertinente, para a realização de pesquisa, com prévia autorização da gerência de Projetos e Pesquisas ou para produção de mudas pelo IEF.

A medida também atualiza os valores de entrada cobrados nas 11 unidades de conservação que permitem a visitação pública. A nova tabela passa a valer em 1º de janeiro de 2018. "Quanto à visitação, havia algum tempo que reajustes de valores de manutenção e reestruturações administrativas não eram realizados. Foi, portanto, uma readequação à situação financeira dos parques", diz Henri Dubois Collet, diretor de Áreas Protegidas do Instituto Estadual de Florestas de Minas Gerais.

Já a atividade de observação de vida silvestre vai contar com apoio da administração dos parques ao visitante. As informações sobre a unidade de conservação, recomendações sobre as trilhas e as regras de conduta e segurança serão repassadas a esses visitantes. É recomendado o cadastramento dos observadores de vida silvestre na unidade de conservação que será visitada. "A observação de pássaros era necessário regulamentar porque havia gerências enfrentando dificuldades no controle dos visitantes e pesquisadores. Agora, temos uma padronização e cadastramento destes observadores, fotógrafos e pesquisadores", explica Collet.

Sobre o horário e dias de funcionamento, os parques estaduais funcionam conforme o mapa abaixo. A portaria nº 119 também dispõe sobre o acesso de observadores da vida silvestre na unidade de conservação em horários distintos do funcionamento normal do parque e locais não abertos à visitação.

Turismo e esportes

As normas atualizadas incluem atividades como visitação para lazer e recreação, esportes e turismo de aventura, ecoturismo, visitas educacionais, pesquisas científicas, observação de vida silvestre e outras atividades compatíveis com os propósitos e objetivos das unidades de conservação, desde que previsto em seus planos de manejo, emergencial e de uso público.

As regras tratam, ainda, sobre a introdução de espécies animais ou vegetais, domésticas ou silvestres, nativas ou exóticas, sem a devida autorização; bem como outras proibições estão listadas nas portarias.

Atrativos

A região metropolitana de Belo Horizonte concentra seis das unidades de conservação abertas ao público. No parque estadual da Serra do Rola-Moça, que fica nos limites dos municípios de Belo Horizonte, Nova Lima, Ibirité e Brumadinho, o turista encontra uma vegetação diversificada, de transição de cerrado para a Mata Atlântica, e pode observar espécies como orquídeas, bromélias, jacarandá, jequitibá, arnica e a canela-de-ema, que se tornou o símbolo da área de conservação.

Além de abrigar seis importantes mananciais de água, o Rola Moça é habitat natural de espécies da fauna ameaçadas de extinção, como a onça parda, a jaguatirica, o lobo-guará, entre outras.

Outra opção para os aventureiros, também nas proximidades de BH, é o parque estadual do Sumidouro, que está situado entre Lagoa Santa e Pedro Leopoldo. No local, o visitante encontra a Gruta da Lapinha, que tem 511 m de extensão e 40 de profundidade, e o museu Peter Lund, onde estão expostos diversos fósseis.
(foto: Evandro Rodney/Agência Minas/Divulgação)
(foto: Evandro Rodney/Agência Minas/Divulgação)

Interior

Na região do Alto Jequitinhonha estão localizados três parques: o do Rio Preto, do Biribiri e o do Pico do Itambé. Em São Gonçalo do Rio Preto, a 70 Km de Diamantina, está o parque estadual do Rio Preto, que tem uma área total de mais de 12 hectares. Entre os atrativos turísticos destacam-se as cachoeiras do Crioulo e da Sempre Viva, as pinturas rupestres e os mirantes naturais, que permitem aos visitantes observar toda a área da unidade e do entorno.

A Zona da Mata abriga o parque estadual do Ibitipoca. No local, o turista pode fazer trilhas e visitar mirantes, grutas, piscinas naturais e cachoeiras. O Pico da Lombada, também conhecido como Ibitipoca, com 1.784 m de altitude, oferece linda vista panorâmica da região.

Outras cinco unidades de conservação estão distribuídas por cinco regiões de Minas Gerais: noroeste, norte, sul, Triângulo e Vale do Aço. São elas: o parque estadual do Rio Doce, o parque estadual do Nova Baden; o parque estadual da Serra das Araras; o parque estadual Pau Furado; e o parque estadual da Lapa Grande. Este último, aberto para visitação em 2014, conta com mais de mil pinturas rupestres e aproximadamente 60 grutas.

(com Agência Minas)

Os comentários não representam a opinião da revista e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade