Publicidade

Estado de Minas ECONOMIA

Entidade aponta queda na exportação de café em fevereiro

Segundo o Cecafé, foram vendidas mais de 2,35 milhões de sacas, uma queda de 9,1% em relação a 2017


postado em 09/03/2018 13:40 / atualizado em 09/03/2018 14:07

De acordo com dados divulgados pelo Conselho dos Exportadores de Café do Brasil (Cecafé) nesta sexta, dia 9 de março, o Brasil exportou 2.355.660 sacas de café em favereiro deste ano, o que representa uma queda de 9,1% nas exportações em comparação ao mesmo mês de 2017. A receita cambial foi de US$ 377,240 milhões.

No acumulado dos dois primeiros meses do ano, o Cecafé observa que foram 5.040.781 sacas exportadas, ou seja, uma redução de 3,8% em relação ao ano passado, quando a receita cambial alcançou US$ 807,983 milhões.

O relatório também mostra um decréscimo de 9,4% no preço médio da saca do produto, que neste ano foi de US$ 160,14, ante US$ 176,78 em 2017.

Para Nelson Carvalhaes, presidente do Cecafé, os resultados verificados estão dentro do esperado, e as exportações "mais modestas" não rebaixam o país quanto à sua boa colocação no mercado mundial. "Temos que levar em conta que fevereiro foi um mês mais curto, o que inevitavelmente afeta as exportações. Nossa expectativa é que o mercado continue neste ritmo até a entrada da nova safra, em julho, quando estimamos um possível incremento nas exportações", comenta Carvalhaes.

Ainda conforme o presidente do conselho, pode-se verificar um tímido crescimento nas exportações de cafés robusta e uma recuperação dos embarques de cafés diferenciados, que atingiram 942.326 sacas nos primeiros dois meses deste ano, um crescimento de 25% em relação ao mesmo período do ano passado. "O volume pluviométrico tem favorecido grandemente a produção de café e deve impactar positivamente as exportações a partir do início da nova safra", afirma.

A variedade com melhor inclusão no mercado externo foi a arábica, que representou 89,1% da quantidade total de exportações (2.099.196 sacas), seguida pelo solúvel, com 10% (236.340 sacas), e a robusta, com 0,9% (20.100 sacas). Neste ano, os principais importadores de café brasileiro foram a Alemanha e os Estados Unidos, que adquiriram 18,5% (933.606 sacas) e 17,2% (866.299 sacas), respectivamente.

Em terceiro lugar no ranking vem a Itália, com 11,2% do valor total exportado (562.363 sacas). Juntamente com o Canadá, o país europeu foi marcado, nos dois primeiros meses deste ano, por uma expressiva alta em sua demanda. As exportações para a Itália cresceram 13,78% no período, enquanto para o Canadá, atualmente em 8º lugar na lista, registrou aumento de 26,8%.

(com Agência Brasil)

Os comentários não representam a opinião da revista e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade