Ômega-3 é ótimo para quem tem olho seco

O ácido docosahexaenoico (DHA) ajuda a recuperar a produção e a qualidade das lágrimas

por Da redação com assessorias 12/03/2018 12:49

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Pixabay
Se for consumir suplemento de ômega-3 para ajudar a tratar a síndrome do olho seco, opte por produtos naturais, sem metais pesados (foto: Pixabay)
A disfunção que ocorre na produção de lágrimas leva à chamada síndrome do olho seco, um problema que afeta milhões de brasileiros. A doença é provocada por alterações na composição ou produção lacrimal, que prejudicam a lubrificação da área. Muitos pacientes não sabem, o ácido graxo ômega-3, o DHA (ácido docosahexaenoico), é um aliado da saúde ocular e pode ajudar a combater essa condição.

"A secura ocular traz consequências desagradáveis e pode se gravar para doenças mais sérias. Os sintomas mais comuns são vermelhidão, coceira, sensação de areia nos olhos e sensibilidade à luz. Uma das principais causas para esse ressecamento e consequente irritação crônica dos olhos é a deficiência de ômega-3, especialmente do DHA", afirma a oftalmologista Maria Inês Harris, consultora da OmegaPure.

Justamente no equilíbrio da gordura da lágrima que o DHA pode atuar. "Este ômega-3 é um forte aliado da saúde ocular. Diversos estudos indicam que os ácidos graxos protegem os olhos de adultos de degeneração macular e da síndrome do olho seco", comenta a especialista.

As gorduras essenciais para nosso organismo ajudam a drenar corretamente o fluido dos olhos, diminuindo, inclusive, o risco de pressão alta e até glaucoma. Quando ingerido durante a gestação, o DHA traz ainda mais benefícios. "O nutriente atua na proteção das células nervosas que estão se formando no cérebro do bebê durante a gravidez. Estas são responsáveis por formar a retina, melhorando a acuidade visual em bebês e crianças", explica a oftalmologista.

Uma das maneiras de se ingerir o ômega-3 com DHA é por meio de dietas ricas em peixes como salmão e sardinha. Porém, o brasileiro consome pouco desse tipo de carne, chegando, em média, a apenas nove quilos de pescado por ano – o ideal segundo a Organização Mundial da Saúde [OMS] são 12 quilos. Com isso, Maria Inês Harris lembra que existem ótimos suplementos desse ácido graxo (dê preferência aos mais puros e sem metais pesados).

Últimas notícias

Comentários