Planos de saúde lideram queixas dos consumidores, diz Idec

Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor recebeu 3,8 mil reclamações em 2017

por Encontro Digital 12/03/2018 11:52

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Pixabay
(foto: Pixabay)
De acordo com levantamento interno divulgado pelo Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) nesta segunda, dia 12 de março, os planos de saúde são o setor que mais recebeu reclamações de consumidores. Conforme o Idec, os contatos relacionados a operadoras de saúde somaram 23,4% do total em 2017. O setor fica no topo do ranking pelo terceiro ano consecutivo, sendo responsável por 28,06% das queixas em 2016 e por 32,7% em 2015.

Ainda segundo o levantamento, a maior parte das reclamações dos consumidores dizem respeito a reajuste abusivo dos planos, especialmente empresariais e coletivos. Além disso, os usuários se mostram incomodados com as negativas de cobertura e a falta de informação sobre os planos.

O Idec recebeu em 2017 um total de 3,8 mil chamados com reclamações e dúvidas de várias áreas.

Em segundo lugar no ranking de reclamação dos consumidores ficaram as queixas relativas à aquisição de produtos, com 17,8%. O setor ultrapassou o ramo dos serviços financeiros, que ficou em terceiro no levantamento deste ano, com 16,7%, mas vinha ocupando a vice-liderança das queixas nos dois anos anteriores. A maior parte dos problemas está relacionada a problemas com cartão de crédito, conta corrente e crédito pessoal. Em relação à compra de produtos, a maioria das reclamações tinha a ver com defeitos e descumprimento nas ofertas.

Os serviços de telecomunicações, incluindo telefonia móvel e fixa e TV por assinatura, ficaram como o quarto setor mais questionado nos contatos de consumidores com o Idec. Do total, 15,8% das ligações foram motivadas pela relação com essas empresas. A TV por assinatura é a maior fonte de reclamações dessa área, seguida pelos problemas com telefonia e internet.

(com Agência Brasil)

Últimas notícias

Comentários