Publicidade

Estado de Minas BEM-ESTAR

Vitamina C ajuda na saúde do cérebro, sabia?

O nutriente presente em frutas cítricas e muitos vegetais protege as funções do cérebro


postado em 01/03/2018 12:52 / atualizado em 01/03/2018 13:36

Todo mundos abe dos inúmeros benefícios da vitamina C para o organismo, incluindo seu efeito fortalecedor do sistema cardiovascular, prevenindo doenças que atacam o coração. Além disso, a substância possui funções que podem ajudar na perda de peso e ganho de massa muscular, protege contra doenças oculares, como a catarata, e combate o envelhecimento da pele, do cabelo e das unhas. Outro benefício do nutriente é a melhora do desempenho cerebral.

Estudo feito pela Universidade do Sul da Flórida, nos Estados Unidos, e publicado na revista científica Frontiers in Physiology, mostra que a vitamina C tem importante papel para saúde e bom funcionamento do cérebro, especialmente em razão de sua ação antioxidante, que previne o dano e o envelhecimento da massa cinzenta, assim como de outras estruturas do corpo.

De acordo com o farmacêutico clínico Olavo Rodrigues, da empresa farmacêutica Natulab, a substância atua em dois processos relevantes para o Sistema Nervoso Central (SNC): a remoção de radicais livres produzidos naturalmente pelo metabolismo celular; e o sistema de consumo de energia dos neurônios. "A vitamina C pode ativar o suprimento alternativo de energia nos casos de consumo total da glicose no cérebro", comenta o especialista. Nestes casos, a energia passa a ser produzida a partir do ácido lático, prevenindo falhas do funcionamento cerebral por falta de energia.

Ao ser liberada nas conexões entre os neurônios, a vitamina C põe em ação sua função antioxidante. "Ela sequestra os radicais livres danosos, chamados de Espécies Reativas do Oxigênio, que podem danificar o DNA e proteínas vitais, melhorando o desempenho das funções cerebrais", esclarece Olavo Rodrigues.

Vale ressaltar ainda que a vitamina C pode ser uma importante aliada na prevenção de doenças neurodegenerativas, como Mal de Alzheimer e Parkinson, uma vez que o estresse oxidativo, ou seja, a produção de radicais livres no cérebro são a causa da degeneração dos neurônios. "A maneira como o cérebro consome energia e o resultado de seu processo de funcionamento, faz com que ele seja altamente dependente de antioxidantes para proteção contra o Mal de Alzheimer, Parkinson, doença de Huntington, Esclerose Lateral Amiotrófica [Ela], entre outros processos neurodegenerativos", afirma o farmacêutico. Além disso, a vitamina C ainda provoca a redução nos níveis de cortisol, um hormônio que tem sua liberação estimulada pelo estresse, aliviando suas consequências negativas.

Para obter as vantagens da vitamina C, seu consumo deve ser regular. Existem vários alimentos, principalmente frutas e legumes de coloração verde, vermelha e amarela, com sabor cítrico, como laranja, limão, goiaba, acerola, manga, morango, pimentão, tomate e brócolis. "Nos casos de alimentação desbalanceada e em períodos de estresse e desgaste físico e mental intenso, pode ser necessário um aporte maior por meio da suplementação, com a orientação adequada de um profissional, seja ele médico, nutricionista ou farmacêutico", diz o especialista.

Os comentários não representam a opinião da revista e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade