Publicidade

Estado de Minas MEIO-AMBIENTE

Conheça oito plantas comuns nas casas e que são venenosas

Poinsétia e saia-branca são duas flores bonitas, mas muito tóxicas


postado em 27/04/2018 13:40 / atualizado em 27/04/2018 14:00

A maioria das flores enfeitam as casas e, algumas, ainda apresentam um aroma diferenciado. Mas, cuidado, muitas delas são bonitas, mas venenosas. No Brasil, há dezenas de plantas tóxicas e, de acordo com a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), são registrados cerca de dois mil casos de envenenamento desse tipo todos os anos no país. "As crianças são as principais vítimas de intoxicação, muitas vezes provocada por ingestão. Por isso, é preciso muito cuidado com as espécies de plantas que se cultiva em casa", alerta Eliézer José Marques, presidente do Conselho Regional de Biologia da 1ª Região.

Caso ocorra algum incidente, é importante procurar um médico o mais rápido possível. "Levar uma amostra da planta que provocou a intoxicação auxilia no diagnóstico e também ajuda o médico a receitar o tratamento mais adequado", recomenda o biólogo. Os sintomas mais comuns nos casos de envenenamento por plantas são coceira, dormência na parte do corpo onde teve o contato, vertigem, enjoos, cefaleia, diarreia e desidratação. Em casos extremos, pode até levar à morte.

Abaixo, o especialista aponta oito tipos mais comuns de plantas tóxicas no Brasil que são muito cultivadas em casas:

  • Aroeira (Lithraea brasiliens March): o contato pode provocar bolhas, coceira e vermelhidão. Se ingerida, pode causar problemas gastrointestinais

  • Bico-de-papagaio ou poinsétia (Euphorbia pulcherrima Willd): pode causar enjoos, vômitos e diarreia, se ingerida. O contato pode ocasionar inchaço na boca, lábios e língua, dor em queimação e coceira. Além de irritação, inchaço das pálpebras e prejudicar a visão, em contato com os olhos

  • Chapéu-de-napoleão (Thevetia peruviana Schum): enjoos, tontura, vômitos, cólicas, diarreia e dor em queimação na boca são comuns se tiver apenas contato com a planta

  • Comigo-ninguém-pode (Dieffenbachia picta Schott): a ingestão ou o contato pode provocar sensação de queimação, inchaço da boca, língua e dos lábios, enjoo, vômitos e diarreia. Além de dificuldade de engolir e asfixia. Se o contato for nos olhos, causa irritação e lesão na córnea

  • Copo-de-leite (Zantedeschia aethiopica Spreng): apresenta os mesmos sintomas de intoxicação da comigo-ninguém-pode

  • Mamona (Ricinus commumis L.): a ingestão das sementes pode provocar enjoos, vômitos, cólicas e diarreia, inclusive sanguinolenta. Em casos extremos, pode ocasionar convulsões, levar ao coma e também à morte

  • Saia-branca (Datura suaveolens L.): ressecamento da pele e da boca, vermelhidão, pupilas dilatadas, taquicardia, agitação, alucinação e elevação anormal da temperatura do corpo são alguns dos sintomas provocados pelo contato, além de haver risco de morte em casos mais graves

  • Urtiga (Fleurya aestuans L.): o contato com os pelos do caule e as folhas pode causar dor imediata, vermelhidão coceira e bolhas na pele

Os comentários não representam a opinião da revista e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade