Publicidade

Estado de Minas SAúDE

Entenda o transtorno bipolar, que afeta a cantora Mariah Carey

A diva americana revelou ser vítima do problema psicológico em entrevista recente


postado em 11/04/2018 15:46 / atualizado em 11/04/2018 16:10

Em entrevista para a revista americana People, a cantora Mariah Carey, de 47 anos, revelou que enfrenta uma verdadeira "batalha" contra o transtorno bipolar. A intérprete de sucessos como Hero, When You Believe e We Belong Together comentou à publicação que "não queria acreditar" após ter sido diagnosticada com o problema que a levou para o hospital em 2001, após um colapso mental e físico. Até recentemente, ela "vivia em negação e isolamento e com medo constante de que alguém exporia" sua doença. "Era um fardo pesado demais para carregar, e eu simplesmente não podia mais fazer isso. Procurei e recebi tratamento; coloquei pessoas positivas ao meu redor e voltei a fazer o que amo: escrever músicas e fazer música", diz Mariah à edição da People que sai dia 23 de abril.

Para quem não sabe, o transtorno bipolar é uma doença que se caracteriza pela alternância de humor: a pessoa passa por momentos de euforia e de depressão, com períodos intercalados de normalidade. "Com o passar dos anos, os episódios repetem-se com intervalos menores, havendo variações e existindo até casos em que a pessoa tem apenas um episódio de euforia ou depressão durante a vida. Apesar do transtorno bipolar do humor nem sempre ser facilmente identificado, existem evidências de que fatores genéticos possam influenciar o aparecimento da doença", esclarece a Associação Brasileira de Familiares, Amigos e Portadores de Transtornos Afetivos (Abrata), em texto divulgado em seu site oficial.

A Abrata alerta que é preciso que familiares e amigos prestem atenção em mudanças de comportamento para encaminhar o paciente para o tratamento adequado. "A pessoa com transtorno bipolar do humor pode apresentar grandes oscilações no seu estado de humor, atrapalhando muito o andamento de sua vida no trabalho, nas relações afetivas e familiares", completa a associação.

A instituição lembra ainda que existem diferentes frequências, gravidades e durações dos transtornos de humor. Além disso, a vítima da doença pode apresentar sintomas mais leves e passageiros ou graves, que duram anos. "A maioria das pessoas que sofre de depressão não acha que está doente porque não está gravemente deprimida, ou seja, incapacitada, desesperada ou angustiada. A distimia é um tipo de transtorno do humor com sintomas depressivos mais leves que da depressão, porém duradouros e oscilantes, em que predominam irritabilidade e mau-humor", informa a Abrata.

O tratamento para o problema é feito com medicamentos e acompanhamento psicológico. Mas, vale ressaltar que cada caso deve ser avaliado de forma individual pelo especialista da área de saúde.

Os comentários não representam a opinião da revista e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade