Publicidade

Estado de Minas BEM-ESTAR

Excesso de leite de soja para meninas pode afetar a fertilidade

Estudo mostra que o grão age de forma parecida com o hormônio estrogênio


postado em 03/04/2018 08:02 / atualizado em 03/04/2018 13:40

Assim como  acontece com qualquer alimento, existe um lado bom e um ruim no consumo de soja. Entre os principais benefícios do grão está o fato de que ele pode substituir o leite de vaca, especialmente em pessoas que têm alergia à proteína presente nesse alimento ou que prefere não consumir produtos de origem animal. Por outro lado, a utilização do leite de soja, sobretudo na alimentação infantil, ainda é muito questionada pela ciência. Prova disso é uma pesquisa recente, realizada pela Univerdade de Vanderbilt, dos Estados Unidos, que concluiu que existe um risco de meninas recém-nascidas desenvolverem problemas de fertilidade por terem sido alimentadas com soja.

De acordo com o jornal sul-africano IOL, que divulgou o estudo, os resultados comprovaram que a soja possui alta concentração de ginisteína, composto químico que é semelhante ao estrogênio (hormônio feminino responsável pela ovulação). Com isso, a ingestão regular do grão faz com que o sistema endócrino do corpo da mulher fique confuso devido à quantidade elevada de ginisteína, o que pode levar a possíveis problemas relacionados à capacidade de reproduzir.

Os cientistas observaram que o índice de maturidade das células vaginais se mostrou maior e o volume uterino diminuiu mais lentamente em meninas recém-nascidas alimentadas com soja, o que sugere respostas do organismo semelhantes às geradas pelo estrogênio.

Porém, segundo a pesquisadora Margaret Adgent, que coordenou o estudo, o resultado da análise da ingestão regular de leite de soja não deve ser considerado alarmante. "A soja tem sido usada com segurança há décadas. No entanto, nosso estudo observacional encontrou efeitos sutis relacionados ao estrogênio em bebês alimentados com este tipo de leite, e não sabemos se essas diferenças estão associadas a efeitos de longo prazo", comenta a cientista ao jornal IOL.

Metodologia

Para realizar a pesquisa, que foi publicada no periódico científico Journal of Clinical Endocrinology and Metabolism, os cientistas da Universidade de Vanderbilt estudaram 283 mamães e bebês – entre meninos e meninas recém-nascidos. Desse total, 102 foram alimentados exclusivamente com leite de soja; 111 com leite de vaca; e 70 com leite materno. Os meninos lactantes foram acompanhados até a idade de 28 semanas e as meninas até 36.

Os comentários não representam a opinião da revista e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade