Cientistas podem estar perto de encontrar o Planeta X

Registros astronômicos medievais podem ajudar na identificação do suposto novo planeta do Sistema Solar

por João Paulo Martins 07/05/2018 17:47

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Pixabay
(foto: Pixabay)
Pesquisadores da Universidade de Queen, em Belfast, na Irlanda do Norte, analisaram antigos registros de cometas em comparação com imagens atuais e chegaram à conclusão de que alguns objetos "foram ignorados durante um longo período". A informação foi divulgada pelo portal de notícias científicas LiveScience.

A historiadora Marilina Cesario, especializada em Era Medieval, e o astrônomo Pedro Lacerda participaram de um projeto conjunto para revelar como as pessoas da Idade Média observavam cometas. Como parte do estudo, eles cruzaram antigos registros desses corpos celestes com imagens contemporâneas, algumas fornecidas pela Agência Espacial Norte-Americana (Nasa).

Os dois cientistas garantem que os registros astronômicos medievais podem fornecer pistas sobre a localização do misterioso e controverso Planeta X, qeu supostamente vaga em nosso Sistema Solar – a suposição é de que sua órbita estaria depois de Netuno, o oitavo e último "vizinho" da Terra.

"Temos uma ampla quantidade de registros históricos de cometas em inglês e irlandês antigos, latim e russo que foram ignorados por muito tempo", comenta Marilina Cesario, que acrescenta que os documentos incluem datas e horas, informações úteis para os astrônomos modernos.

Por sua vez, Pedro Lacerda sublinha que a informação recompilada poderia ser usada como uma ferramenta. "Podemos considerar as órbitas de cometas conhecidos agora e usar um computador para calcular os períodos em que eles teriam sido visíveis no céu durante a Idade Média", afirma o astrônomo.

A suspeita de que exista um nono planeta no Sistema Solar surgiu após astrofísicos perceberem alterações das forças gravitacionais presentes no Cinturão de Kuiper, que é formado por inúmeros corpos celestes que têm o potencial de originar cometas de trajetória mais curta. O cinturão fica justamente além da órbita de Netuno.

"Qualquer indicação de que o 'Planeta Nove' se pareça com os cometas registrados na Idade Média será um resultado único e, certamente, terá um impacto significativo na nossa compreensão do Sistema Solar", afirma Lacerda.

(com Agência Sputnik)

Últimas notícias

Comentários