Fim das teorias da conspiração: comprovada a morte de Hitler em 1945

Cientistas franceses analisaram os dentes do líder nazista que se encontram na Rússia

por João Paulo Martins 21/05/2018 10:52

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Hitler en Argentina/Ed. Patagonia/Reprodução
Adolf Hitler e sua esposa Eva Braun teriam cometido suicídio dentro de um bunker em Berlim, em 1945. Agora, a morte do líder nazista foi confirmada por um estudo francês (foto: Hitler en Argentina/Ed. Patagonia/Reprodução)
Quem assistiu ao filme Der Untergang (A Queda: As Últimas Horas de Hitler), de 2004, baseado na biografia escrita pelo escritor alemão Joachim Fest, acompanhou os últimos momentos do líder nazista Adolf Hitler em seu bunker (abrigo), em Berlim, na Alemanha, em abril de 1945. Em face à derrota iminente, o "führer" alemão decidiu tomar cianureto e se matar com um tiro na cabeça – esta atitude foi acompanhada pela sua mulher, Eva Braun. Porém, como seus corpos teriam sido queimados, muitas pessoas acreditavam que o líder genocida poderia ter fugido logo após o fim da Segunda Guerra Mundial (1939-1945). Agora, investigadores franceses que tiveram acesso aos fragmentos dos dentes do ditador, que estão guardados em Moscou, na Rússia, conseguiram comprovar o fato revelado pelo cinema e pelo livro.

"Os dentes são autênticos, não há nenhuma dúvida. O nosso estudo prova que Hitler morreu em 1945", comenta o patologista e legista francês Philippe Charlier, da Universidade Paris-Descartes, co-autor do estudo, em entrevista à agência francesa de notícias AFP. "Podemos parar com todas as teorias da conspiração sobre Hitler. Ele não fugiu para a Argentina num submarino; não está numa base escondida na Antártica; nem do lado escuro da Lua", completa o pesquisador.

A pesquisa sobre a comprovação da identidade dos restos mortais de Hitler foi publicada na sexta, dia 18 de maio, na revista científica European Journal of Internal Medicine.

A análise dos dentes maus conservados do líder nazista e de várias dentaduras também identificou depósitos brancos de tártaro e nenhum vestígio de carne – vale lembrar que o ditador alemão era vegetariano, lembra Philippe Charlier.

Entre março e julho de 2017, o serviço secreto da Rússia, intitulado FSB, juntamente com o Departamento de Arquivos do Estado Russo autorizaram que a equipe de investigadores examinasse os restos mortais do "führer" pela primeira vez desde 1946.

Além da arcada dentária, os franceses também puderam observar o fragmento de crânio que estava ligado a Hitler e que apresenta um buraco no lado esquerdo, provavelmente causado pelo suicídio cometido dentro do bunker em Berlim. Infelizmente, os cientistas não foram autorizados a recolher amostras desse fragmento.

Ainda assim, os pesquisadores avaliaram a morfologia do fragmento como sendo "totalmente compatível" com as radiografias do crânio do ditador tiradas um ano antes de sua morte. "Não sabíamos se ele tinha usado uma ampola de cianeto para se matar ou se faleceu em decorrência de uma bala na cabeça. Provavelmente foram ambos", afirma Charlier à AFP.

O estudo não encontrou vestígios de pólvora nos dentes, o que indica que o revólver não foi colocado na boca. Provavelmente, ele se matou com um tiro dado na região da têmpora, dizem os especialistas. Outro ponto confirmado pela pesquisa diz respeito ao veneno. Os franceses encontraram depósitos azulados nas dentaduras, o que pode indicar uma "reação química entre o cianureto e o metal das próteses", conforme Philippe Charlier.

Últimas notícias

Comentários