Que tal um rato como animal de estimação?

Centenas de roedores foram resgatados na França e colocados para adoção

por João Paulo Martins 21/05/2018 09:45

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Pixabay
(foto: Pixabay)
Um fato curioso ocorrido na França, no dia 30 de abril deste ano, está chamando a atenção na internet. Na cidade de Hauts-de-Seine, que fica na região de Gennevilliers, a entidade francesa de proteção dos animais Sacpa foi chamada para resgatar nada menos que 266 ratos que viviam em meio à sujeira na casa de uma senhora que estava sendo despejada pelas autoridades locais. A informação foi divulgada pelo jornal francês Le Monde.

Havia roedores de todos os tipos: brancos, cinzas, negros, machos, fêmeas, recém-nascidos e alguns até feridos. "Eles estavam à mercê dos gatos e dos cães que passavam por lá e os comiam ou feriam com brincadeiras mais brutas", comenta um representante da Sacpa, que não teve o nome revelado, em entrevista para o periódico.

A instituição protetora dos animais já sabia que a mulher criava ratos dentro de casa, que estava cheia de entulhos e lixo, mas desconhecia que eram mais de duas centenas. "A miséria social faz parte do cotidiano de quem cuida de animais", diz o ativista.

Os responsáveis pelo resgate dos roedores disseram ao Le Monde que não havia razão para matar todos aqueles ratos, que eram considerados animais de estimação. O problema é que o canil de Hauts-de-Seine não era capaz de abrigar os bichinhos, já que as instalações não são adequadas para a espécie, e a proprietária da casa também não tinha condições de levar os roedores. Por isso, a Sacpa foi chamada e acionou outras associações que se preocupam com o bem-estar animal na França.

Uma das entidades levou 10 ratos, outra 36. Já um outro refúgio, intitulado Larkencielle, em Nanterre, nas proximidades de Hauts-de-Seine, especializado em ratos, recolheu 48 animais. "Normalmente, costumamos resgatar de cinco a 10 ratos, mas, diante de uma situação como essa, temos que nos 'virar'", afirma Cédric Mevrel, responsável pelo refúgio, em entrevista para o Le Monde.

Todos os ratos resgatados foram levados para uma clínica veterinária, onde passaram por tratamento contra parasitas e por uma "quarentena" de 15 dias, para garantir que não tinham qualquer doença. Além disso, os machos foram castrados.

Agora, as entidades aguardam por famílias interessadas em adotar esses bichinhos de estimação "inusitados". "À primeira vista, imaginamos essas criaturas como sendo sujas, mas, quando cuidamos deles, os ratos são animais adoráveis, inteligentes e tão afetuosos quanto cães e gatos. Eles podem lamber e até reconhecer o nome", explica Cédric Mevrel.

Segundo a matéria do Le Monde, dos 48 ratos recolhidos pelo Larkencielle, três morreram e 20 já foram adotados.

Últimas notícias

Comentários