Publicidade

Estado de Minas CIêNCIA

Drogas podem ajudar a tratar depressão

Cientistas descobriram efeitos 'benéficos' de substâncias como LSD e DMT


postado em 26/06/2018 10:47 / atualizado em 26/06/2018 10:47

(foto: Picasa/Creative Commons/Reprodução)
(foto: Picasa/Creative Commons/Reprodução)
Imagine se uma "viagem" psicodélica pudesse ser uma alternativa para o tratamento da depressão ou do transtorno de ansiedade? Pois é, cientistas descobriram que a dietilamida do ácido lisérgico, mais conhecida como LSD (sigla em inglês), pode ajudar contra essas duas condições mentais.

O estudo, publicado no início de junho na revista científica Cell Reports, descobriu que drogas psicodélicas como LSD, DMT (dimetiltriptamina) e cogumelos psilocibinos ajudam a promover a plasticidade estrutural e funcional no córtex pré-frontal. Basicamente, essa alteração significa uma comunicação mais eficiente entre os neurônios.

Evidências sugerem que a atrofia dos neurônios no córtex pré-frontal "desempenha um papel fundamental" no aspecto fisiológico da depressão e de condições similares, de acordo com 16 pesquisadores responsáveis pela nova pesquisa.

O córtex pré-frontal é a região do cérebro responsável por tarefas como tomada de decisão, expressão da personalidade e moderação do comportamento em diferentes contextos sociais.

A promoção de melhorias estruturais e funcionais nessa região do cérebro, como resultado do uso de LSD, cogumelos mágicos e DMT é "acompanhada de aumento do número e da função das sinapses, medida por microscopia de fluorescência e eletrofisiologia", observa o estudo.

O aumento das sinapses significa que os neurônios estão "conversando" mais uns com os outros, enquanto o aumento da função de sinapse indica que a "fala" acontece mais eficientemente quando os nervos liberam sinais entre si via neurotransmissores.

Segundo os pesquisadores, as mudanças estruturais parecem ser impulsionadas pela "estimulação das vias de sinalização TrkB, mTOR e 5-HT2A e poderiam explicar a eficácia clínica desses compostos".

Ou seja, a atrofia do córtex pré-frontal em pacientes com depressão e ansiedade pode começar a se reverter após uma experiência psicodélica com ácidos ou cogumelos.

Apesar de não acreditarem que essas mudanças no cérebro durem muito tempo, elas são descritas pelos pesquisadores como ocorrendo "rapidamente" após o uso de droga. Além disso, os psicotrópicos "demonstraram efeitos antidepressivos e ansiolíticos de longa duração após uma única dose", segundo o estudo.

Junto com o medicamento cetamina (sedativo), que foi usado como base para comparação de efeitos, mas não foi incluído no estudo, o ácido, o cogumelo e a DMT formam um grupo de compostos que melhoram a plasticidade estrutural no córtex pré-frontal.

(com Agência Sputnik)

Os comentários não representam a opinião da revista e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade