Tecnologia piora o Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade

Estudo mostra que o uso de dispositivos eletrônicos afeta mais as vítimas do TDAH

por Da redação com assessorias 11/06/2018 08:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Pixabay
(foto: Pixabay)
Praticamente todo brasileiro possui um aparelho de telefone celular. Apesar da tecnologia facilitar nossa vida, ela também pode agravar sintomas de alguns transtornos, como o Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH), além de criar dependência. Essa foi a conclusão de uma revisão de 38 artigos científicos feita pelo psiquiatra americano Atilla Ceranoglu, diretor do serviço de Psiquiatria do Hospital para Crianças, de Boston. O levantamento também mostrou que ter TDAH é um fator de risco para usar a tecnologia de forma excessiva.

Os resultados foram apresentados em abril, na Espanha, durante a conferência Meeting of Minds X (Encontro das Mentes, na tradução livre), evento científico dedicado ao TDAH e que discutiu as novidades sobre o transtorno.

O estudo americano foi uma revisão da literatura e confirmou que as crianças com TDAH apresentam dificuldades para limitar e monitorar o uso das tecnologias. Quando comparadas a crianças sem o transtorno, elas tendem a passar mais tempo jogando, por exemplo. "Essa falta de limites está relacionada às próprias características do TDAH, como dificuldade de gerenciar o tempo, dificuldade de se organizar, de priorizar as atividades, assim como dificuldade para regular a impulsividade. Outra revelação importante é que o uso excessivo da tecnologia também afeta o rendimento escolar, principalmente nas crianças que passam mais de uma hora por dia jogando", comenta a neuropediatra sul-matrogrossense Andrea Weinmann.

O tempo dedicado aos dispositivos eletrônicos também foi avaliado. Os efeitos para a saúde mental e para as funções cognitivas estão ligados à quantidade de horas gastas com jogos ou outras tecnologias. As crianças que jogaram 96 minutos ou mais por dia foram as que apresentaram os piores desempenhos e agravamento dos sintomas do Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade.

Noite

A privação do sono é um problema enfrentado por muitos pais, principalmente de crianças mais velhas e de adolescentes, sendo a tecnologia uma das principais causas para o déficit do sono nessa faixa etária.

Segundo a neuropediatra, crianças com TDAH que dormem mal ou dormem pouco poderão apresentar piora dos sintomas de atenção, com importantes déficits na memória e na capacidade de aprendizagem, o que afeta diretamente o desempenho escolar.

Outro fator apontado pelo estudo é o local de acesso à tecnologia. "As crianças que possuem vídeogames, televisão e acesso à internet no quarto são as que costumam ficar mais tempo usando a tecnologia, já que têm menos supervisão dos pais", explica Andrea Weinmann. Por isso, a dica da especialista é retirar todos os equipamentos do quarto e monitorar de perto o tempo que a criança gasta vendo TV, jogando ou usando a internet.

Além da supervisão dos pais, a recomendação é que as crianças abaixo de dois anos não devem ser expostas a smartphones, tablets ou mesmo à televisão. Acima dessa idade, o uso deve ser limitado a uma hora por dia e sempre supervisionado.

"A criança copia o comportamento da família. Portanto, todos devem se comprometer a reduzir o uso dos dispositivos, principalmente antes de dormir e nas horas das refeições. Como não é possível proibir totalmente, é preciso equilibrar o tempo gasto em celulares, internet e games", diz a médica.

O ideal, segundo Andrea, é procurar participar desse uso de alguma maneira, ver junto, jogar junto etc. Isso vale para todas as crianças e adolescentes, mas é preciso lembrar que aquelas com TDAH devem ter ainda mais supervisão por parte dos pais, já que são mais suscetíveis aos efeitos negativos da tecnologia.

Últimas notícias

Comentários