Descubra as principais causas de coceira na pele

Sociedade Brasileira de Dermatologia fala sobre as doenças ligadas ao prurido

por Da redação com assessorias 17/07/2018 09:28

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Pixabay
(foto: Pixabay)
É praticamente impossível passar a vida inteira sem sofrer com alguma coceira incômoda, insuportável ou não, em alguma parte do corpo. A reação na pele, dependendo da intensidade e da evolução, pode comprometer de forma significativa a qualidade de vida dos pacientes. Por isso, é importante saber o que pode estar por trás desse problema tão chato.

De acordo com a Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), o prurido ou coceira na pele é um motivo de alerta principalmente quando persiste por mais de seis semanas ou é recorrente. "Mesmo quando tratada e, principalmente quando não aparecem lesões na pele, a coceira pode estar associada a doenças sistêmicas, precisando de diagnóstico e tratamento", informa a SBD em comunicado enviado à imprensa.

Normalmente, conforme a entidade médica, quando a coceira é aguda, pode ser decorrente de uma reação adversa causada por medicamento ou ser fruto de alguma substância irritante que entrou em contato com a pele (dermatite de contato). "Pode ainda ser desencadeada por picadas de insetos; algumas vezes acompanhar viroses; ou ainda ser causada por certas doenças dermatológicas específicas como a escabiose, dermatite seborreica, dermatite atópica, eczema e micoses", afirma a SBD.

Vale lembrar que a coceira irritante também pode estar ligada a questões psicológicas e até mesmo psiquiátricas, piorando com momentos de ansiedade, estresse, calor e exercícios físicos.

A Sociedade Brasileira de Dermatologia cita as principais doenças da pele que podem causar coceira ou prurido:

Ressecamento da pele (xerose)
O problema pode aparecer em qualquer parte do corpo, principalmente nas pernas, braços e mãos. Banhos quentes, demorados, com esponjas e com muito sabonete; Sol; vento; frio; poluição; e produtos químicos são os fatores externos mais conhecidos como causadores de xerose. A idade é outro fator que influencia o grau de ressecamento da pele. Assim, idosos, crianças e mulheres na menopausa tendem a ter a pele mais seca. Para evitar o ressecamento, a SBD recomenda alguns cuidados: tomar banhos mornos, sem esponjas e com pouco sabonete; usar filtro solar; utilizar hidratantes; evitar a exposição solar prolongada; e usar luvas apropriadas durante a manipulação de produtos químicos.

Dermatite atópica
"É um dos tipos mais comuns de alergia da pele. Não contagiosa, genética e crônica, se caracteriza por pele seca e coceira intensa. Geralmente ocorre em pessoas com história pessoal ou familiar de asma, rinite ou mesmo eczema atópico", afirma a entidade médica. A condição provoca lesões avermelhadas, descamativas, escoriadas e, muitas vezes, com crostas principalmente nas dobras do cotovelo, atrás dos joelhos e do pescoço. "A pele do paciente atópico funciona como uma barreira protetora inadequada e, com isso, qualquer estímulo externo pode desencadear a coceira. O contato com materiais ásperos, exposição à poluição, ao ar condicionado, à fumaça, à poeira, às fragrâncias ou corantes, aos detergentes e aos produtos de limpeza em geral, às roupas de lã e de tecido sintético, à baixa umidade do ar, ao frio intenso, ao calor e à transpiração, às infecções, ao estresse emocional e a certos alimentos são fatores de risco para o desencadeamento da coceira". A prevenção se dá por meio do fortalecimento da barreira da pele usando hidratantes específicos para pele muito seca, protegendo do Sol e evitando os fatores de risco.

Sarna (escabiose)
"É uma parasitose humana causada pelo ácaro Sarcoptes scabiei. A fecundação do ácaro ocorre na superfície da pele. Após o macho morrer, a fêmea penetra na pele, cava um túnel por 30 dias e deposita os ovos. Quando eles eclodem, liberam larvas que voltam à superfície da pele para completar o ciclo", esclarece a Sociedade Brasileira de Dermatologia. O contágio se dá pelo contato entre humanos, com pessoa doente ou roupas infectadas e por meio de objetos contaminados. O principal sintoma, conforme a SBD, é a coceira ou prurido, que é sentido principalmente à noite. "As principais lesões na pele são os túneis e, nas suas extremidades, pequenas vesículas. As lesões aparecem, geralmente, entre os dedos das mãos, nas axilas, nos punhos, na palma da mão, auréolas e genitais. O tratamento é individualizado para cada paciente".

Líquen plano
A entidade médica explica que esta doença é inflamatória crônica e pode afetar as mucosas, a pele, as unhas e o cabelo, acometendo homens e principalmente mulheres de meia idade, sendo raro em crianças. "É uma doença recorrente e pruriginosa de causa desconhecida, provavelmente mediada por mecanismos imunológicos, podendo estar associada a algumas doenças sistêmicas e mesmo a alguns medicamentos". O ato de coçar pode desencadear lesões novas, por isso é imperioso evitar sempre este hábito. "A doença pode acometer só a pele ou apenas a mucosa oral, ou se apresentar em ambas localizações. O ressecamento da pele e o estresse podem ser fatores de piora da coceira".

Urticária
Trata-se de uma irritação da pele caracterizada por placas avermelhadas e/ou vergões que parecem picada de inseto e que duram até 24 horas, desaparecendo em seguida e ressurgindo em outras áreas, deixando a sensação de que estão se movimentando pelo corpo, informa a SBD. "A doença gera coceira intensa e pode aparecer em tamanhos e locais variados. A urticária pode ser crônica ou aguda. A aguda desaparece em pouco tempo e, ao identificar os possíveis gatilhos, como uso de medicamentos ou pela alimentação, é recomendado ao paciente que evite a exposição a tais agentes". Em determinados casos, o médico especialista pode solicitar exames de sangue e da pele para confirmar os fatores que desencadeiam a urticária aguda.

Dermatite de contato
Esta é uma reação inflamatória na pele decorrente da exposição a um agente capaz de causar irritação ou alergia. "Existem dois tipos de dermatite de contato: a irritativa, causada por substâncias ácidas ou alcalinas, como sabonetes; e a alérgica, que surge após repetidas exposições a um produto ou substância", explica a Sociedade Brasileira de Dermatologia. As lesões da pele acometem o local de contato com a pele, podendo se estender à distância, ou seja, fora do local de contato do problema, por exemplo, uma alergia a esmalte pode dar coceira nas pálpebras. As dermatites de contato podem ocorrer tanto no ambiente doméstico como nas atividades de lazer e no trabalho. "O diagnóstico pode ser esclarecido pelo teste alérgico de contato. A partir da substância testada, pode ser sugerida a causa da dermatite de contato e iniciar o tratamento mais indicado para cada paciente".

Caspa (dermatite seborreica)
"É uma inflamação na pele que causa descamação, vermelhidão, oleosidade e coceira em algumas áreas onde a pele é oleosa ou gordurosa, como couro cabeludo, sobrancelhas, pálpebras, vincos do nariz, lábios, atrás das orelhas e tórax", diz a SBD. É uma doença de caráter crônico, com períodos de melhora e piora dos sintomas. Não é contagiosa, nem causada por falta de higiene. "Ansiedade; baixa temperatura; situações de fadiga; consumo de álcool; medicamentos; e deficiência de alguns nutrientes podem ser fatores de risco para o surgimento e manutenção das lesões". O tratamento envolve medidas como lavagem frequente para diminuir a oleosidade da pele, sem uso de substâncias irritantes; utilização de xampus específicos; e evitar os fatores de risco.

Prurido gravídico (na gravidez)
Durante a gravidez podem ocorrer dermatoses específicas da gestação que causam coceira intensa, orienta a entidade médica. "Normalmente ocorre na primeira gravidez e no último trimestre. A mais frequente se manifesta com pápulas nas estrias abdominais poupando a região ao redor do umbigo", diz a SBD.

Últimas notícias

Comentários