Pela 1ª vez, Copa do Mundo pode ter 'zebras' na final

Bélgica e Croácia têm chances de disputar a sonhada taça do Mundial da Rússia

por Encontro Digital 10/07/2018 08:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Fifa.com/Reprodução
(foto: Fifa.com/Reprodução)
Atualmente, as Copas do Mundo da Fifa são jogadas por 32 seleções. Entre 1982 e 1994 eram menos: 24 países. Antes disso, o número de seleções na disputa do Mundial de futebol era ainda menor. As chamadas "zebras" (seleções menos tradicionais ou teoricamente mais fracas vencendo as favoritas) acontecem em todas as copas. As finais das Copas, no entanto, não costumam abrir espaço para "zebras" e recebem equipes tradicionais, acostumadas às fases mais agudas da competição. O Mundial de 2018, na Rússia, pode entrar para a história como o que levou duas "zebras" à final.

Bélgica e Croácia são dois bons times e chegaram às semifinais com méritos, mas não têm tradição em participar de finais de Copas do Mundo. Ambas igualam o maior feito já conquistado até então e chegam apenas pela segunda vez às semifinais da competição. Em 1986, no México, a Bélgica chegou a uma semifinal e a Croácia atingiu a mesma fase em 1998, na França.

Mesmo sendo esperado que os dois times chegassem este ano à fase eliminatória, eram poucos, antes de a competição começar, que imaginavam essas seleções poderiam fazer uma final, o que nunca ocorreu. Agora, essa possibilidade não está distante.

Pelo time que tem, a Bélgica ter chegado às quartas de final não causa espanto. Mas, ainda que seja um bom time, o favoritismo era do Brasil, que vinha mostrando futebol consistente. Os belgas inverteram a lógica e superaram os pentacampeões com aplicação tática.

A Bélgica utiliza um esquema que se adapta ao adversário. O técnico Roberto Martinez soube adaptar bem seu time para enfrentar a Seleção Brasileira. O atacante Lukaku, por exemplo, tem as características de um centroavante que fica perto da área esperando bolas aéreas. Mas Martinez aproveitou o gol feito no início do jogo e o colocou na ponta direita, puxando contra-ataques em velocidade. Enquanto isso, De Bruyne mudou de posição e foi o jogador mais parecido com um centroavante, confundindo a marcação montada pelo técnico brasileiro Tite. Assim, como se adaptou para enfrentar o Brasil, a Bélgica deverá mudar a forma de jogar na partida desta terça, dia 10 de julho, contra a França, no estádio de São Petersburgo.

Croácia e Inglaterra

Na outra partida, a Croácia pegou o caminho considerado mais fácil até as semifinais mas, curiosamente, foi a seleção que teve mais dificuldade para se manter na Copa. Apesar de ter se classificado em primeiro lugar em um grupo com a Argentina de Messi e tendo, inclusive, vencido os argentinos sem dificuldade, a Croácia só superou a Dinamarca, nas oitavas, e a Rússia, nas quartas, na disputa de pênaltis. O meio campo talentoso do técnico Zlatko Dalic vem encontrando problemas para vencer os jogos eliminatórios.

Contra uma Inglaterra que vem subindo de produção a cada jogo, uma vitória da Croácia – ainda que nos pênaltis – poderá confirmar a inédita "zebra" na final da Copa do Mundo.

O mundo viu, em copas passadas, situação parecida com a atual. Em 1994, a final poderia ter sido entre Bulgária e Suécia, mas essas seleções acabaram derrotadas pela Itália e o Brasil nas semifinais. Em 2002, a Turquia e a Coreia do Sul estiveram perto de disputar uma final, mas tiveram que se contentar em entrar em campo para a disputa do terceiro lugar.

Por outro lado, França e Inglaterra serão responsáveis por manter as tradições do torneio e fazer uma final entre seleções tradicionais no cenário mundial. Esta pode ser a primeira vez que duas seleções, com um título mundial cada, se enfrentem na briga pelo título. Ambas foram campeãs quando sediaram o torneio. A Inglaterra foi campeã em 1966 e a França em 1998.

(com Agência Brasil)

Últimas notícias

Comentários