Tire dúvidas sobre lipoaspiração

Procedimento está completando 40 anos e é um dos mais realizados no Brasil

por Da redação com assessorias 31/07/2018 09:42

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Zwivel.com/Reprodução
(foto: Zwivel.com/Reprodução)
Sabia que a lipoaspiração está completando 40 anos? Este procedimento estético foi criado em 1979 pelo cirurgião plástico francês Yves Gerard Illouz e se tornou um dos mais realizados em todo o mundo para redução de medidas. No Brasil, segundo dados da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP), a lipoaspiração é a segunda cirurgia plástica mais realizada, perdendo apenas para o aumento das mamas. Entretanto, também é um dos procedimentos que mais necessitam profissionais especializados e treinados, já que a prevalência de complicações é alta quando certas condutas de segurança não são seguidas.

Segundo o cirurgião plástico Luiz Molina, membro titular da SBCP, graças ao melhoramento das técnicas cirúrgicas, dos equipamentos usados e da seleção dos pacientes que têm indicação para a lipoaspiração, a morbidade e a mortalidade diminuíram. "Ainda assim, muitas pessoas se arriscam quando não se atentam a detalhes importantes na escolha do médico, do local e até mesmo quanto à necessidade ou não de fazer a lipoaspiração. A saúde é o bem mais precioso que temos. Portanto, o paciente precisa estar ciente dos riscos e escolher um profissional qualificado", comenta o especialista.

Abaixo, o médico tira algumas dúvidas sobre a lipoaspiração:

O procedimento pode ser feito numa clínica?
"A lipoaspiração é uma cirurgia. Portanto, deve ser feita em um hospital devidamente equipado para qualquer emergência, como uma parada cardíaca ou respiratória, por exemplo", esclarece Luiz Molina. No Brasil, o local de realização dessa cirurgia precisa seguir as normas da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Pessoas de todas as idades podem fazer lipoaspiração?
"Embora a idade não seja um fator isolado de contraindicação, o médico irá avaliar a condição de saúde como um todo. Pacientes com mais de 40 anos serão avaliados minuciosamente em relação ao risco cardiovascular", diz o especialista. Além disso, os pacientes precisam ser avaliados em relação à capacidade da pele de contrair, pois há risco de flacidez após a retirada da gordura. "Crianças naturalmente não tem indicação e adolescentes são avaliados caso a caso".

Quais doenças podem impedir a feitura do procedimento?
"Toda cirurgia implica riscos. Assim, o médico nas consultas pré-operatórias irá traçar um perfil e levantar todas as doenças que contraindicariam a cirurgia". O cirurgião plástico explica que histórico de hemorragias; diabetes; doenças da tireoide; tumores; trombose ou antecedente familiar de trombose; insuficiência cardíaca; isquemia coronariana; e problemas de coagulação são algumas doenças prévias que podem impedir o paciente de fazer a lipoaspiração.

Pessoas com sobrepeso podem fazer lipoaspiração?
"O IMC [Índice de Massa Corporal] tem sido usado para a indicação cirúrgica. Pessoas com IMC próximo de 30, ou seja, obesas classe I, têm contraindicação relativa. Porém, IMC maior que 35 tem contraindicação absoluta devido ao risco de complicações respiratórias, circulatórias, infecciosas e a um maior tempo de recuperação", alerta Luiz Molina. O médico lembra que o procedimento não deve ser pensado como recurso para perda de peso. "O paciente deve estar dentro do IMC normal e usar a cirurgia para ajudar na remoção da gordura localizada que não diminuiu com atividade física ou com dieta".

Quais os limites da lipoaspiração?
Essa é uma das principais dúvidas dos pacientes e acaba sendo um mito pensar que é possível tirar toda a gordura do corpo. De acordo com SBCP e o Conselho Federal de Medicina (CFM), existem três variáveis maiores a serem analisadas para definir os limites da lipoaspiração: a primeira é o volume de gordura retirado, que não pode ser maior que 7% do peso corporal. "Uma pessoa que pesa 70 kg pode retirar até 4,9 kg de gordura, por exemplo". "A segunda variável diz respeito à composição do material aspirado, que varia conforme a infiltração usada e região aspirada. Por fim, a terceira variável é a superfície corporal aspirada. A recomendação é não aspirar mais que 40% da superfície corporal".

Recuperação pós-cirurgia é tranquila?
"Outro mito em torno da lipoaspiração é que como não há cortes abertos, já que é feita por meio de pequenas incisões, as pessoas tendem a pensar que a recuperação é menos complexa que uma cirurgia com grandes incisões. Mas não é bem assim. Embora cada organismo reaja de uma maneira diferente, nos primeiros dias é esperado sentir dores, apresentar edema (inchaço) e hematomas", explica o especialista. Ele afirma que os resultados podem ser observados após seis meses e o pós-operatório requer cuidados que devem ser seguidos à risca pelo paciente.

Últimas notícias

Comentários