Dieta desregrada pode afetar a audição

Excesso de sal, cafeína e carboidrato causam danos aos ouvidos, podendo gerar tontura e pressão na cabeça

por Da redação com assessorias 01/08/2018 13:40

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Pixabay
O consumo de alimentos ricos em sal faz com que as células fiquem desnutridas, afetando o fluxo sanguíneo na parte interna da orelha, gerando tontura, mal-estar e dor de cabeça (foto: Pixabay)
Uma alimentação desregulada, baseada em produtos pobres em nutrientes, além de causar o ganho rápido de peso, afeta diretamente a saúde, inclusive em relação à audição. Uma dieta rica em açúcar, cafeína e carboidratos, por exemplo, aumenta a produção de insulina, o que gera desequilíbrio nos íons que estão presentes no ouvido. O mesmo vale para o consumo de álcool e tabaco.

O sal em excesso não fica de fora da lista de vilões, bem como o jejum prolongado, que está virando moda entre aqueles que querem perder peso, e os longos períodos sem ingestão de água, que podem fazer com que as células fiquem desnutridas. Isto afeta o fluxo de sangue, dificultando a irrigação e a chegada de nutrientes à parte interna da orelha, causando tontura, mal-estar, dor de cabeça, sensação de desequilíbrio e pressão na cabeça.

"Muita gente não sabe, mas o labirinto, órgão responsável pelo equilíbrio, fica na parte interna dos ouvidos. Uma vez inflamado, pode afetar as células ciliadas causando perda auditiva", explica a fonoaudióloga Isabela Papera, da Telex Soluções Auditivas. "As células ciliadas, que ficam na cóclea, logo à frente do labirinto, e são responsáveis pela audição sensorial, não se regeneram caso sejam danificadas. Com isso, o indivíduo vai perdendo a audição ao longo dos anos dependendo das situações a que se submete. Má alimentação e exposição constante a barulhos muito altos podem agravar a situação", completa a especialista.

Aqueles que já têm a audição prejudicada ou sofrem com zumbidos podem ter o problema potencializado devido a uma alimentação desregrada. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), no Brasil, o zumbido atinge 28 milhões de pessoas. O sintoma geralmente é o mesmo: um ruído constante que a pessoa não sabe de onde vem, nem como acabar com ele. Em alguns casos, o incômodo é parecido com o barulho de insetos; em outros, com sons de uma cachoeira, alguns se assemelham ao apito de uma panela de pressão, ou até mesmo com vozes humanas.

"O mais comum, no caso de má alimentação, é o zumbido intermitente, que ocorre em determinados períodos, e está relacionado a doenças do metabolismo. Quanto antes o problema for tratado, mais claro será o diagnóstico e maiores são as chances de fazê-lo desaparecer", diz a fonoaudióloga.

Isabela lembra que é preciso aprender a dizer não para as comidas pobres em nutrientes, como salgadinhos, enlatados, embutidos, sopas prontas e lanches de fast food, por exemplo, e dar preferência a opções mais saudáveis, como produtos naturais e integrais, ricos em fibras. Verduras, frutas e alimentos que possuem potássio, vitaminas A, C e E são aliados para uma boa saúde auditiva.

Últimas notícias

Comentários