Publicidade

Estado de Minas SAúDE

Quimioterapia pode fazer a leucemia reaparecer

Essa é a conclusão de um estudo canadense


postado em 11/09/2018 10:46 / atualizado em 11/09/2018 10:54

(foto: Pixabay)
(foto: Pixabay)
A quimioterapia é um dos tratamentos mais efetivos contra o câncer. Entretanto, quando se trata da leucemia (tumor que afeta o sangue), pode ser que esse tipo de terapia cause um efeito indesejado, conforme aponta um novo estudo científico divulgado pela emissora canadense CTV News.

Cientistas da Universidade McMaster, no Canadá, descobriram que, apesar da quimioterapia conseguir tratar a leucemia, alguns pacientes podem ter uma recaída exatamente por conta do uso dos medicamentos. Ainda assim, segundo o estudo, que foi publicado na revista científica Cancer Cell, os pesquisadores ainda estão tentando desvendar o motivo por trás desse efeito negativo.

O cientista Mick Bhatia, coordenador da pesquisa, explica à CTV News que em decorrência do tratamento, as células cancerosas podem se "disfarçar" de saudáveis. Com isso, as "impostoras" permanecem "escondidas", preparando o terreno para a volta da grave doença. "A quimioterapia é fantástica, mas, por causa dela, o câncer pode voltar num período que varia de um a cinco anos depois do tratamento", pondera Bhatia.

O estudo canadense durou cinco anos e acompanhou 30 pacientes com leucemia mieloide aguda, a forma mais agressiva desse tipo de cancro. Durante o período de análise, células cancerosas foram injetadas em camundongos que, consequentemente, desenvolveram o mesmo tipo de leucemia. Posteriormente, os animais foram submetidos à quimioterapia.

A partir do monitoramento celular das cobaias, os pesquisadores descobriram que algumas células cancerosas continuavam presentes no organismo e não haviam sido detectadas anteriormente. Isso fez com que os cientistas imaginassem que elas não eram resistentes ao tratamento, mas sim, estavam "disfarçadas" de células saudáveis enquanto os camundongos eram submetidos às sessões de quimioterapia.

Na entrevista à CTV News, Mick Bhatia compara o comportamento surpreendente das células cancerosas ao de um criminoso que muda de aparência após cometer um delito.

Tratamento

De acordo com o oncologista Ronan Foley, do hospital Juravinsk, de Ontário, no Canadá, é importante que se façam estudos como esse da Universidade McMaster. "A pesquisa é muito sofisticada e nos leva a um novo nível de compreensão da leucemia", comenta Foley em entrevista à CTV News.

O médico diz ainda que a comunidade científica já suspeitava que a quimioterapia seria responsável por alguns casos de retorno da leucemia. Ainda assim, a conclusão da pesquisa é importante no combate à doença e na inclusão de novos tipos de tratamentos.

Apesar do estudo ter sido realizado exclusivamente em pacientes com leucemia mieloide aguda, é provável que seja relevante também para alterar as terapias de outras formas de câncer, afirma Mick Bhatia à emissora canadense. Inclusive, cientistas dos Estado Unidos e da Europa já estariam trabalhando em outras pesquisas direcionadas à identificação e ao combate de células "impostoras", destaca o pesquisador.

Os comentários não representam a opinião da revista e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade