Publicidade

Estado de Minas MINERAÇÃO

Vale quer chegar a 70% da produção de minério a seco

Processo evita a criação de barragens de rejeitos


postado em 06/02/2019 16:39 / atualizado em 06/02/2019 16:40

(foto: Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais/Divulgação)
(foto: Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais/Divulgação)

Em comunicado enviado à imprensa na última terça, dia 5 de fevereiro, a mineradora Vale informa que tem planos para aumentar a produção a seco de minério de ferro até 70% em 2023, com a redução gradativa da utilização de barragens de rejeitos nas operações.

O aumento da parcela de produção a seco da mineradora foi anunciado 12 dias após o rompimento da barragem da mina do Córrego do Feijão, em Brumadinho, Minas Gerais.

Paralelamente ao aumento da produção a seco, a Vale afirma que planeja investir aproximadamente R$ 1,5 bilhão (cerca de US$ 390 milhões) na implementação de tecnologia de disposição de rejeito a seco (dry stacking, no original em inglês).

No comunicado, a empresa diz que a iniciativa se agrega à aquisição da New Steel – que desenvolve tecnologias inovadoras de beneficiamento de minério de ferro a seco – em dezembro do ano passado, por US$ 500 milhões.

As informações indicam que os investimentos da mineradora brasileira em gestão de barragens atingirão R$ 256 milhões (cerca de US$ 70 milhões) agora em 2019, segundo orçamento aprovado no ano passado. O volume representa crescimento de cerca de 180% em relação aos R$ 92 milhões (cerca de US$ 30 milhões) investidos em 2015.

"Os crescentes e relevantes investimentos em gestão de barragens e ações de saúde e segurança evidenciam o compromisso da Vale com a disponibilização dos recursos necessários para preservar a saúde e segurança de seus funcionários e das comunidades vizinhas", diz a empresa no comunicado.

Segundo a mineradora, os investimentos em novas barragens, todas construídas pelo método convencional, "refletem as necessidades operacionais da companhia e o cronograma de implantação de cada um dos projetos em execução".

(com Agência Brasil)

Os comentários não representam a opinião da revista e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade