Publicidade

Estado de Minas RISCO

Cuidado com o uso indevido de remédio para impotência

Especialistas alertam para esse comportamento perigoso


postado em 10/12/2018 10:21 / atualizado em 10/12/2018 10:25

(foto: Pixabay)
(foto: Pixabay)

Aproveitando os 20 anos da chegada ao mercado do citrato de sildenafila – mais conhecido como Viagra –, que causou uam verdadeira revolução sexual para os homens, existem pessoas que usam o medicamento de forma inadequada. Vale lembrar que os comprimidos podem ser comprados na farmácia sem receita médica. Especialistas aleram que o uso sem necessidade pode fazer mal a saúde.

Para o psicólogo Paulo Aguiar, do Conselho Federal de Psicologia, em entrevista à Agência Brasil, esse tipo de comportamento é  "um grande sintoma da sociedade". "O uso de Viagra preenche vazios e inseguranças do sujeito", comenta o especialista.

Ele ressalta que a ingestão indevida de remédios contra impotência expõe homens clinicamente saudáveis à dependência psicológica e reafirma padrões sociais nem sempre positivos, em que prepondera a virilidade masculina.

"Há um abuso do uso desse tipo de medicamento de pessoas que não tem quadro clínico que justifique o uso desse medicamento. Fica mais no campo do uso recreativo, da questão performática para causar impressão", diz o farmacêutico Alex Sandro Baiense, do Conselho Federal de Farmácia, também à Agência Brasil. Ele lembra que a orientação aos farmacêuticos é de que "qualquer medicamento esteja com a indicação adequada".

O urologista Lucio Flavio Gonzaga Silva também condena o uso desnecessário dos fármacos que tratam disfunção erétil e a falta de consulta ao médico. "Algumas situações contraindicam o uso desses medicamentos. Se você toma sem avaliação médica prévia, você pode estar em uma dessas situações de contraindicação e pode correr riscos graves. Nunca recomendamos o uso recreativo dessas substâncias", comenta o especialista à agência estatal de notícias.

Em termos sociais, de acordo com o antropólogo Rogerio Lopes Azize, professor da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), o consumo indevido de medicamentos que ajudam contra a impotência é um "sinal dos tempos". "Vivemos no ocidente contemporâneo numa sociedade do desempenho, no qual nos vemos como um sujeito-empresa, cuja performance deve ser gerida e aprimorada. Isso atravessa e constrói a nossa subjetividade, influencia nossa relação com drogas em termos gerais, legais e ilegais", comenta o antropólogo.

(com Agência Brasil)

Os comentários não representam a opinião da revista e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade