Publicidade

Estado de Minas CELEBRIDADES

Ana Maria Braga revela ter tido câncer de pulmão e alerta para o perigo do tabagismo

A apresentadora diz que seu diagnóstico foi precoce, o que favoreceu a recuperação total da doença. Além disso, ela conta que parou de fumar após esse 'susto'


postado em 14/12/2015 11:37 / atualizado em 14/12/2015 11:42

Na abertura do programa Mais Você, da Rede Globo, nesta segunda, dia 14 de dezembro, a apresentadora Ana Maria Braga revelou aos fãs que foi diagnosticada com um tumor maligno no pulmão em setembro de 2015, e que por conta da descoberta precoce, conseguiu tratar imediatamente o problema. E, segundo ela, tudo indica que ficará totalmente recuperada.

Ana explica que a descoberta do tumor de 5 mm no pulmão se deu graças ao seu companheiro americano Bill, que insistiu para que ela fizesse uma tomografia de rotina. Após o diagnóstico, ela logo se internou para fazer o tratamento, e diz que está totalmente recuperada. A apresentadora lembra ainda que esse problema foi decorrente o cigarro, já que fumava há muitos anos. Agora, após o susto, ela resolveu largar o vício, e está contando com a ajuda de uma médica pneumologista.

"Fiquei estatizada. É o risco que toda a pessoa que fuma tem. Não precisei fazer nem químio, nem radioterapia, graças a Deus e aos médicos. Voltei a trabalhar em uma semana", conta Ana Maria Braga. Vale lembrar que ela já enfrentou dois outros cânceres, no passado: um de pele, do tipo melanoma, e um no intestino, no colo do reto.

Maligno é mais comum

De acordo com o Instituto Nacional do Câncer José de Alencar (Inca), o câncer de pulmão é o mais comum entre todos os tumores malignos. A extimativa é que o Brasil tenha 28.220 novos casos em 2016, sendo 17.330 em homens e 10.890 em mulheres. O número de mortes causados por esse tumor, em 2013, chegou a 24.490.

O Inca lembra que em 90% dos casos diagnosticados, o câncer de pulmão está associado ao consumo de derivados de tabaco.

A prevenção é, portanto, essencial. Deixar de fumar é o primeiro cuidado para prevenir a doença. A ação permite a redução do número de casos (incidência) e de mortalidade. Segundo o Inca, comparados com os não fumantes, os tabagistas têm cerca de 20 a 30 vezes mais risco de desenvolver câncer de pulmão.

Deve-se evitar, ainda, a exposição a certos agentes químicos (como o arsênico, asbesto, cromo, níquel e éter de clorometil), encontrados principalmente em alguns ambientes de trabalho, e também o contato com o ar poluído. Outros fatores que levam ao apareciemnto de tumor no pulmão: infecções pulmonares repetidas; deficiência e excesso de vitamina A; doença pulmonar obstrutiva crônica (enfisema pulmonar e bronquite crônica); fatores genéticos.

Os comentários não representam a opinião da revista e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade