Consumo de trigo integral traz muitos benefícios para o organismo

O grão em sua forma integral ajuda o coração e o intestino, por exemplo

por Da redação com assessorias 30/11/2017 09:33

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Pexels
(foto: Pexels)
Depois do milho e do arroz, o trigo é o cereal mais cultivado no mundo. Usado em inúmeras receitas, esse grão vem ajudando a combater a fome da humanidade há milênios. Dele são extraídas duas formas de farinha: a branca e a integral. Com isso, muita gente ainda pergunta qual a diferença entre esses dois ingredientes.

Segundo informação da empresa alimentícia Mondeléz, a farinha de trigo integral é composta por três partes do cereal: endosperma (aproximadamente 83% do grão); gérmen (aproximadamente 3% do grão); e farelo (aproximadamente 14% do grão). Por outro, a farinha branca não traz todos esses componentes, tendo, na maioria das vezes, apenas endosperma (tecido que nutre o embrião da planta).

Considerado um dos alimentos de origem vegetal mais completos, o consumo de cereais integrais contribui para o aumento da ingestão de fibras, vitaminas, minerais e antioxidantes, sendo a farinha integral considerada um ótimo substituto da versão branca. Conforme dados da Associação Americana do Coração, os grãos integrais têm grande parte de seu conteúdo formado por fibras e compostos bioativos no farelo e no germe. Possuem também antioxidantes, vitaminas e minerais que ajudam a melhorar a circulação do sangue e contribuem para o controle dos níveis de açúcar no organismo.

Os cereais são essenciais também para quem opta por seguir uma alimentação equilibrada. Isso porque fornecem prebióticos, que são aliados de quem sofre de prisão de ventre, por exemplo. Outra curiosidade sobre o trigo é que estudos da Universidade de Harvard, dos Estados Unidos, mostram que o consumo de cereais integrais trazem benefícios no controle de doenças crônicas. De acordo com os pesquisadores, o consumo pode reduzir em 25% problemas cardíacos, além de beneficiar também pessoas com diabetes do tipo 2.

Últimas notícias

Comentários