Saiba onde comemorar o Dia Internacional do Café em BH

Cinco cafeterias para degustar a bebida na capital mineira

por Carolina Daher 13/04/2018 09:52

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Pixabay
(foto: Pixabay)
Se tem alguém que entende de café nesse mundo somos nós, mineiros. As Gerais têm a maior produção brasileira. O estado que um dia viveu o ciclo do ouro, hoje garimpa uma outra riqueza. Uma preciosidade que nasce nos milhares de pés que se multiplicam ano após ano pelo estado. Até dezembro de 2017, o mercado do café movimentou mais de R$ 20 bilhões na economia brasileira, sendo que 54% desse montante está ligado a Minas. Já podemos brindar, certo?

No sábado, 14 de abril, comemora-se o Dia Internacional do Café. Selecionamos cinco lugares para degustar o “ouro negro” em BH:

Café Magrí
Cheio de plantinhas espalhadas e um jeitinho de casa de vó – inclusive o cheirinho delicioso vindo da cozinha. Café fresquinho, louças fofas pintadas à mão e um cardápio com receitas caprichadas. A especialidade da casa são os cafés especiais. Na carta, chama atenção – AÍ VEGANOS! – o cappuccino preparado com leite vegetal (R$ 12). Já para quem não resiste a uma bebida mais açucarada, vale pedir o affogato, uma combinação de café com sorvete artesanal (R$ 18).
Rua Alvarenga Peixoto, 595, Lourdes, (31) 99414 0230

Intelligenza
Segue o estilo de casas americanas consagradas como Blue Bottle e Intelligentsia, ou seja, mais do que só tomar um café, é lugar para ficar. Espalhadas pelos ambientes, cadeiras confortáveis e tomadas para os workaholic de plantão. Os grãos são em sua maioria, mineiros, do cerrado e sul do estado, mas há também opções vindas do Espírito Santo e Bahia. Na carta, são três opções: coados, expressos e gelados. Para refrescar, o cold brew (extraído a frio) custa R$ 10. Se quiser um toque a mais, o cliente ainda pode misturar a bebida com coco, leite ou limão (R$ 12).
Rua Paraíba, 966, Savassi. (31) 99911 1311

Mocca Coffee & Meals
Com arquitetura em estilo industrial, a cafeteria é tem um perfume vintage com sofá capitonê e estante com vários objetos antigos na decoração. A carta vai do tradicional expresso (R$ 4,50) até combinações mais caprichadas como o expresso com Amarula (R$ 12), com doce de leite (R$ 8) ou com Nutella (R$ 8). Para os que não resistem a um frapê, são cinco tipos – todos tendo café como base. O mais pedido é o de caramelo com flor de sal (R$ 11, pequeno e R$ 15, o grande).
Rua Desembargador Jorge Fontana, 50, Belvedere, 2516-0207

Noete
Fica na esquina da rua Santo Antônio do Monte com São Domingos do Prata, no Santo Antônio. O casarão da década de 30 atrai por sua arquitetura preservada. Ali, Daniel Cabral e Guilherme Costa servem diferentes grãos vindos de vários lugares do Brasil. O café oferecido é o mesmo selecionado pelo Noete Clube do Café – em que sócios do clube recebem em casa um tipo de grão por mês. Na cafeteria, os clientes encontram vários tipos de extração – como V 60, prensa francesa e kalita. Os coados saem a R$ 8, 200 ml e o expresso custa R$ 5.
Rua Santo Antônio do Monte, 294, Santo Antônio, (31) 3586 4645

Oop
É descoladérrimo. Com projeto assinado pelos arquitetos Paulo Augusto Campos e Marina Garcia, a cafeteria ostenta cimento queimado no chão e pé-direito alto. Está sempre disponível três tipos de grãos. Para os amantes – e curiosos – de café, dá para pedir o “sensorial”; um plano onde um mesmo grão é extraído de quatro formas diferentes: V 60, aeropress, prensa francesa e expresso. No momento, os clientes podem experimentar tanto um café vindo Serra da Mantiqueira (Minas) ou um da Serra do Caparaó (Espírito Santo). E prepare-se: a casa acaba de abrir uma segunda unidade dentro do Mercado Grano, no Jardim Canadá.
Rua Fernandes Tourinho, 143, Funcionários, (31) 3786 7888



Últimas notícias

Comentários