Publicidade

Estado de Minas CIêNCIA

Embrapa cria tomate cereja com alto teor de antioxidante

O novo híbrido é rico na substância chamada licopeno


postado em 26/06/2018 14:25 / atualizado em 26/06/2018 14:09

Pesquisa da Embrapa Hortaliças resultou na criação de um tomate cereja, ou grape, híbrido que é rico em licopeno, importante antioxidante natural(foto: Leonardo Boiteux/Embrapa/Divulgação)
Pesquisa da Embrapa Hortaliças resultou na criação de um tomate cereja, ou grape, híbrido que é rico em licopeno, importante antioxidante natural (foto: Leonardo Boiteux/Embrapa/Divulgação)
Doces e práticos para serem usados nas saladas, os tomates do tipo cereja ou grape (uva em inglês) são muito apreciados pelos consumidores brasileiros. Além da doçura, uma pesquisa da Embrapa Hortaliças desenvolveu um híbrido desses frutos pequenos e alongados que apresenta um diferencial que, apesar de indetectável ao paladar, faz bem para a saúde: alto teor de licopeno, uma substância antioxidante muito eficiente no combate aos radicais livres no organismo e um pigmento que confere a típica cor vermelha dos frutos do tomateiro.

Enquanto outros híbridos do tipo grape vendidos no mercado brasileiro possuem de 40 a 90 microgramas de licopeno por g (µg/g) de fruto, o teor da substância no tomate BRS Zamir, criado pela Embrapa, pode alcançar até 144 µg/g.

"Produtos derivados do tomate como sucos, geleias, molhos e extratos são a principal fonte de licopeno na dieta humana. O tomate BRS Zamir, recomendado para consumo fresco, ou seja, sem processamento, é recordista em acumulação de licopeno no mercado brasileiro. Do ponto de vista nutricional, os frutos do híbrido BRS Zamir funcionam como uma gostosa 'cápsula' de licopeno", comenta o agrônomo Leonardo Boiteux, pesquisador responsável pelo programa de melhoramento genético do tomateiro da Embrapa Hortaliças.

Do ponto de vista agronômico, o novo fruto do tipo grape possui uma vantagem genética que aumenta a produtividade. Pesquisadores da Embrapa Hortaliças e parceiros caracterizaram um gene responsável por estimular o grau de bifurcação dos cachos do tomateiro, o que aumenta em até três vezes o número de flores e, por consequência, de frutos por planta. "Nós observamos plantas que apresentavam essa característica de bifurcação e desenvolvemos um trabalho de seleção dos materiais genéticos para chegar ao híbrido BRS Zamir, que agrega maior produtividade em virtude da presença desse gene", explica o pesquisador.

O trabalho de desenvolvimento do híbrido de tomate grape envolveu o cruzamento de linhagens com alta qualidade sensorial (licopeno e sabor) com linhagens que apresentavam cachos bifurcados por meio do melhoramento genético convencional. A novidade foi avaliada em diferentes regiões produtoras nos estados de Goiás, Paraná, São Paulo e Distrito Federal. Além da produtividade superior em comparação aos outros híbridos do mesmo segmento, o tomate BRS Zamir também é amplamente adaptado às altas temperaturas encontradas nas regiões produtoras do país, alcançando perto de 100% de pegamento dos frutos, de acordo com a Embrapa.

"No geral, a maioria das cultivares ofertadas no mercado nacional é estrangeira e as sementes são importadas por um preço muito elevado. A produção de sementes dessas variedades estrangeiras ocorre em condições de telado em regiões com clima mais ameno. Quando são cultivadas no Brasil em altas temperaturas, há aborto de flores e pegamento inadequado de frutos, o que diminui a produtividade", comenta Leonardo Boiteux.

(com assessoria de imprensa da Embrapa Hortaliças)

Os comentários não representam a opinião da revista e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade