Conheça lugares em BH para ficar zen

Práticas coletivas buscam promover o equilíbrio do corpo e das emoções em parques e praças da cidade

16/08/2017 14:19

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Ronaldo Dolabella/Encontro
O projeto Praticando aos Domingos promove aulas no parque da Serra do Curral: cerca de 150 pessoas se reúnem para conhecer as técnicas de hatha ioga (foto: Ronaldo Dolabella/Encontro)
Entre as flores do ipê cor-de-rosa da praça da Liberdade, o monge Satyanatha fala sobre a conquista da paz e da capacidade de sorrir e perdoar. O brasileiro que deixou uma carreira promissora na engenharia da computação, em São Paulo, para se tornar monge em um mosteiro hindu no Havaí diz que, na busca pelo bem-estar, a meditação é um caminho a ser seguido. Satyanatha, que passou por aqui em julho para lançar um aplicativo com 907 meditações, diz que o celular pode ser um aliado, assim como a natureza. Segundo o monge, práticas diversas, quando feitas ao ar livre, podem acelerar a sensação de harmonia. "O ser humano não foi feito para ficar longe da natureza", diz.

Seguindo a trilha zen, Encontro visitou praças e parques da cidade onde pessoas das mais diversas profissões e idades se encontram para práticas que têm como objetivo deixar a mente e o corpo em harmonia. No parque da Serra do Curral, por exemplo, o céu parece ainda mais azul durante a aula da professora de hatha ioga Vicky De Raphael. Enquanto ensina cerca de 150 pessoas a respirar e fazer os movimentos de sua técnica, ouve-se o barulho dos pássaros, de pequenos animais e até de  crianças que correm pelos gramados. O projeto Praticando aos Domingos acontece no parque sempre às 10h e é um sucesso que já dura três anos e chegou a reunir mais de 300 pessoas em um único dia.

Ronaldo Dolabella/Encontro
A advogada Gláucia Vianna se tornou aluna assídua no projeto Praticando aos Domingos há um ano: "A energia é agregadora" (foto: Ronaldo Dolabella/Encontro)
No gramado, a sintonia é coletiva. "A energia gerada é tão grande que é capaz de curar", acredita Vickie. Segundo ela, o ato de estar na natureza, diante da serra, fazendo uma prática leve, traz um benefício grande para as pessoas. "Na China, costuma-se colocar os doentes entre os praticantes para que eles se beneficiem de toda a energia positiva que é gerada", diz. "Por isso digo às pessoas: 'Se você se sente bem, venha praticar, se não se sente muito bem, venha mesmo!'" Vicky é dona do espaço Viva Bem, no bairro Serra, e a aula de ioga gratuita é um projeto voluntário. Ela conta que quando era criança e morava nos Estados Unidos acompanhava a mãe, que era professora voluntária em parques. Para praticar na Serra do Curral, basta chegar com um tapetinho ou pequeno cobertor, sentar-se no gramado, fechar os olhos e seguir as orientações. "Gosto demais de vir aqui, amo o barulho do lugar, o visual e as aulas da Vicky. A energia é agregadora, eu me sinto bem, com mais equilíbrio", diz a advogada Gláucia Vianna. A gerente comercial Ana Carolina Ribeiro conheceu o projeto há seis meses e fala sobre a conexão com a natureza. "Eu me sinto em paz."

Já no centro da cidade, é entre as árvores do Parque Municipal que praticantes da ginástica chinesa lian gong se reúnem. Mesmo com o frio, os adeptos chegam ao parque antes das 9h. As aulas acontecem também na praça da Liberdade e em outros quase 200 pontos da cidade. Belo Horizonte, é bom dizer, é considerada a capital do lian gong, a cidade do Ocidente com maior número de praticantes. "São mais de 11 mil pessoas", diz a médica e professora Luzia Hanashiro,  coordenadora do projeto de lian gong, desenvolvido pela Prefeitura de Belo Horizonte. O lian gong faz parte do programa de saúde pública. Seus movimentos suaves, mas firmes, são capazes de aliviar e prevenir dores, de melhorar a postura e o alongamento para todas as idades.

Ronaldo Dolabella/Encontro
A gerente comercial Ana Carolina Ribeiro gosta da conexão com a natureza: "Eu me sinto em paz." (foto: Ronaldo Dolabella/Encontro)
"Aos poucos as dores nas articulações das mãos melhoraram, ganhei mais disposição para trabalhar as esculturas, aprendi a caminhar com outra postura, o que aliviou os meus joelhos", comenta a artista plástica Roseane Oliveira, que se tornou fã da ginástica. E, como ela, muitos. O engenheiro agrônomo Rogério Ávila Aguiar pratica o lian gong pelo menos cinco vezes por semana. "Eu me tornei mais calmo, ponderado, menos ansioso e reativo. Mais zen. Percebo a melhora em mim e nos outros, aos poucos as pessoas vão se tornando mais felizes", observa. Os benefícios da prática ao ar livre, segundo Luzia, são muitos. "Ao ar livre é mais fácil sentir as estações da natureza, ciclos que influenciam nosso corpo."

No parque Rosinha Cadar, bem ao lado da praça Carlos Chagas (Assembleia), acontecem práticas de tai chi chuan nas manhãs de sábado. O professor Leonardo Pereira comenta que entre os benefícios do tai chi estão a melhora no alongamento, no equilíbrio e na lateralidade. Por vezes, Leonardo também ensina na praça o kung fu, uma arte marcial marcada por movimentos com maior explosão. "As aulas são abertas para adultos e crianças."

Ronaldo Dolabella/Encontro
Aula de lian gong praticada ao ar livre no Parque Municipal: ginástica chinesa alivia e previne dores, além de melhorar a postura e o alongamento (foto: Ronaldo Dolabella/Encontro)
No mesmo espaço, no primeiro domingo de cada mês, a dança também é aberta ao público. A engenheira civil Maria Inez de Souza, uma das coordenadoras do projeto - ou focalizadora, nome dado aos instrutores –, diz que não é preciso saber dançar para participar. "Não há pré-requisito, aprende-se tudo na hora." Como uma prática coletiva, a dança melhora a coordenação motora, o equilíbrio, a sensação de bem-estar e a percepção musical. Os ritmos são variados, com danças típicas do Brasil e de países da Europa. As pessoas dançam todas juntas, em uma grande roda, ou em pequenos grupos. Maria Inês, que participa do grupo há 22 anos, cita benefícios que são um convite para experimentar a prática: "Um dos pontos principais da dança é a capacidade de aflorar sentimentos de alegria e fraternidade."

Algumas práticas coletivas em BH

Parque Serra do Curral
Ioga (Projeto Praticando) - domingos, às 10h

Parque Rosinha Cadar
Ioga - 3º domingo do mês, às 9h
Tai chi chuan - sábados, às 9h30
Dança no parque - 1º domingo do mês, às 16h

Praça da Liberdade
Lian gong - segundas e quartas, às 7h

Parque Municipal
Lian gong - quartas e sábados, às 9h

Parque Municipal
Tai chi chuan - sextas e sábados, às 8h
Lian gong - quartas e sábados, às 9h

Parque Lagoa do Nado
Ioga - 1º e 3º domingo do mês, às 9h

Últimas notícias

Comentários